Como Adaptar Conteúdo para Plataformas de Mídia Social

Como Adaptar Conteúdo para Plataformas de Mídia Social

Você acabou de escrever um ótimo texto e criou um título brilhante. Agora, como usar a mídia social para aumentar o seu alcance do seu conteúdo e atrair o público certo? Só compartilhar o link pelas redes é o ideal? Não seja tão preguiçoso!

Para melhor seu desempenho, o seu conteúdo deve ser ajustado para se adequar para cada plataforma. Um profissional de marketing experiente incluirá a adaptação do conteúdo como uma tática dentro de sua estratégia de distribuição para que sua mensagem neutralize o ruído, presente em todas a mídia e atinja seu público-alvo da forma correta.

Vamos ver quais são as melhores práticas e adaptar seu conteúdo para cada plataforma de mídia social:

Twitter Conteúdo

Apesar de ter sido anunciado que links e imagens não serão mais contados como caracteres, o Twitter ainda impõe uma restrição de 140 caracteres. Enquanto isso é um desafio por alguns, a Oracle diz que essa característica deve ser explorada em vez de ser temida. A famosa restrição do Twitter nos obriga a ir direto ao ponto e eliminar informações desnecessárias.

1. Forte apelo à ação

Com uma concentração comparável à de um peixinho dourado, humanos modernos precisam de orientações claras e recompensas instantâneas. Use seus 140 caracteres para atrair o público e fazer com que ele se comporte da maneira desejada. Garanta que seu call to action seja forte e gratificante – isso funcionará!

 2. Uma imagem vale mais que mil palavras

Use junto com seus 140 caracteres!

Tweets com imagens se destacam e conseguem uma média de 35% mais retweets. Consiga a atenção do seu público com a criação de uma imagem de citações ou fatos interessantes. Infográficos são uma outra maneira fantástica para as imagens aumentarem o alcance da sua publicação. Basta olhar como o Walmart compartilha pontos importantes do seu press release dentro de um gráfico atraente:

3. Não usar abreviações

A tentativa de empurrar o máximo de informação possível em um tweet muitas vezes pode levar ao uso de abreviações ou gírias. “Tendeu” o que quero dizer? Não faça isso – parece pouco profissional. Se você tem muita informação sobre o mesmo assunto, escreva uma série de tweet, ou publique imagens contendo mais textos. Também como alternativa, use um link para uma página de destino com mais conteúdo textual.

Fabecook Marketing

1. Pensar mobile

Quase 70% dos usuários do Facebook acessam seu perfil por meio de um dispositivo mobile. Por isso, o conteúdo precisa ser criado pensando nisso. Por exemplo, se o usuário acessar seu conteúdo por um aplicativo ou site mobile, sua imagem é redimensionada? Seu texto continua legível? Será que alguns deles cortam seu conteúdo? Teste a sua metodologia primeiro, use contas fakes e texto para teste.

2. Pagar por isso

O Facebook está constantemente mudando seu algoritmo e, como resultado, as pessoas que realmente “veem” o conteúdo publicado por você estão diminuindo – isso vale para as pessoas que “curtem” a sua página. Se você quiser que o seu post seja visto, é necessário promove-lo. Separar recursos para a sua estratégia de conteúdo pago é importante e acaba sendo um pouco mais caro, guarde seu orçamento para as mensagens mais atraentes; aquelas que tem maior probabilidade de engajamento com o público.

3. Vídeo

Em abril, o Facebook anunciou outra mudança para seu algoritmo que sugere algumas mudanças para publicações, uma deles é a valorização do conteúdo em vídeo. Com isso, profissionais de marketing que pretendem estar atualizados e serem vistos por seu público, precisam pensar em maneiras de incorporar vídeo em sua estratégia social. Não se esqueça de colocar legendas em seus vídeos no Facebook, para garantir que os telespectadores visualizem sua mensagem enquanto percorrem seu feed de notícias, sem ter que clicar para escuta-la.

Linkedin Marketing de Conteúdo

1. Menos não é sempre mais

O LinkedIn é um site profissional e seus usuários tendem a ser mais abertos a diálogos longos e posts mais profundos. Esta é uma oportunidade valiosa para profissionais de marketing de conteúdo conseguirem que a sua mensagem seja vista por um público mais segmentado e sem sacrificar algumas palavras do seu conteúdo.

2. SlideShare

Use o LinkedIn em seu pleno potencial, o que inclui tirar vantagens de sua plataforma afiliada, e impulsionar a descoberta do seu conteúdo. O SlideShare permite compartilhar conteúdo no estilo de apresentações do Power Point e o classifica para alguns mercados, tópicos e temas. Use o formato da plataforma para destacar pontos importantes e direcionar seu público-alvo para o conteúdo na íntegra. Ele também tem algumas métricas ótimas para que você veja como exatamente as pessoas estão se engajando com seu conteúdo, assim você pode ajustar seu apelo para conquistar um público maior.

3. Grupos do LinkedIn

Grupos no LinkedIn são um ponto importante da rede profissional. Os usuários se agrupam porque realmente têm a intenção de consumir conteúdo alinhado com os seus interesses. Junte-se a alguns grupos que são relevantes para a sua empresa e publique conteúdo próprio neles. Esteja ciente de que membros do LinkedIn podem ser mais abertos para uma longa leitura, e não para spams. Compartilhe seus posts com sabedoria!

N-CO-1.1.4-Banner

Estas são apenas algumas dicas para ajudá-lo a adaptar o seu conteúdo para diferentes plataformas de mídia social. Para descobrir como criar um press release que maximiza o compartilhamento social, clique aqui e baixe nosso white paper completo.

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Amy-Louise Tracey no dia 23 de junho de 2016. Amy-Louise é Consultora de Comunicação na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Anúncios

A Vingança dos Nerds: Lições de Métricas com o Facebook

A Vingança dos Nerds: Lições de Métricas com o Facebook

Mike Buckley, Vice-Presidente de Comunicação de Negócios Global do Facebook fez fechamento do evento PRSA’s 2014 International Conference. Com apenas um agasalho ou um chinelo Adidas, estaria olhando para você, Mark Zuckerberg. Big Data e Analytics para Profissionais de Comunicação: Porque a matemática é importante, sem brincadeira.

Embora você possa supor logo de cara que os recursos do Facebook superaram seu próprio país, quando se trata de quase todos os aspectos das operações de negócios (e você estaria certo), vamos colocar isto em perspectiva:

– Equipe de Comunicação Global do Buckley é composta por 100 membros

… Mas antes de ter uma inveja profunda considere:

  • Cerca de um membro da equipe para cada 15 milhões de usuários do Facebook

… E mais dados estão sendo produzidos por dia do que há de grãos de areia do mundo.

“Fred Cook disse ser corajoso – Então, entre e olhe para os dados!”

Como grãos de areia em uma ampulheta, assim são os dados que fluem por cada um de seus sistemas, sites, portais… Comece pequeno, comece por algum lugar que antes você perdeu alguma oportunidade.

 

O Alto Impacto do Plano de Relações Públicas que Direcionam o ROI & Ajudam na Geração de Demanda

Leitura Relacionada: O Alto Impacto do Plano de Relações Públicas que Direciona o ROI & Ajuda na Geração de Demanda.

 

 

“Você não pode gerenciar o que não se pode medir.”

Quanto mais você puder fazer recomendações que se baseiam em dados e produzem resultados comerciais tangíveis, mais competente você será e mais as Relações Públicas parecerão eficientes para uma grande organização (veja mais sobre este assunto clicando aqui).

“O ponto mais importante no modo como as pessoas nos veem, nossa reputação, tem tudo a ver com produto e experiência.”

Este conselho é talvez mais aplicável a uma empresa de tecnologia interativa como o Facebook, mas todos nós podemos sair com alguma lição aprendida: não presuma saber o que impacta na satisfação do cliente e reputação da marca… Realmente saiba quais impactos afetam a satisfação do seu cliente e reputação da sua marca. Se você não perceber que a experiência do usuário em seu site conduz grande parte da satisfação, você não será capaz de mensurar seu potencial, reagir e mudar quando necessário.

De forma permanente você deve medir e monitorar o envolvimento, tempo gasto pelo usuário ao interagir com seu site/portal e a satisfação geral. Isso ajudará a estabelecer uma linha do tempo para comparação. Evitando o pânico desnecessário e também poderá identificar se um novo lançamento está tendo um efeito mais extremo do que o normal.

“A questão não é a curva decrescente, é o quão rápido ela está e qual a probabilidade de recuperação.”

Linhas do tempo (calendário com índices históricos) ajudam a prever os padrões de comportamento resultantes de mudanças de planejamento, lançamentos, etc. Elas também dizem quanto tempo qualquer reação negativa pode durar, e quanto tempo você tem que esperar pela recuperação.

Depois de comprovar como os dados funcionam – e respeitar o que eles dizem para você – você terá mais liberdade para aplicar ações e tomar decisões que à primeira vista podem parecer como tarefas bobas, mas isso realmente vai favorecer sua marca e seu negócio em longo prazo.

OK, você pegou. Dados não são coisa de Nerd. Dados são legais. Eles são aquilo que irá direcionar as decisões de negócios que levarão sua carreira, equipe, empresa e clientes para frente. Mas o que não se deve fazer com os dados?

Buckley nos deixou com algumas palavras-chave de sabedoria quando se trata das limitações dos dados, que não devem ser esquecidas tão cedo:

“Os dados podem ser conflitantes.”

Ele podem se revelar extremamente difíceis ao se isolar variáveis​​, especialmente ao se trabalhar com conjuntos de dados muito grandes e opostos.

“Como você avalia as quedas de marca e reputação?”

Oscilações acontecem, e você pode muito bem se recuperar rapidamente. Os dados podem assegurar que a sua reputação se recuperou… Mas e se existir um efeito acumulativo dessas pequenas interrupções em longo prazo para os níveis de envolvimento e confiança?

“Os dados nunca substituirão a interação humana. Nunca explicarão a dor e por isso requer um toque humano.”

Este texto foi traduzido do post escrito por Caitlin Carragee no Blog Beyond PR, no dia 22 de outubro de 2014.

Caitlin Carragee é Gerente de Soluções de Marketing, Distribuição, Multimídia & Relatórios da PR Newswire. Além de Relações Públicas,  Caitlin adora os anos 90.  Twitter:  @caitlincarragee.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

A Copa do Mundo nas Redes Sociais

As redes sociais têm sofrido impactos positivos nos últimos dias devido à copa, e quem muito colaborou com este fato foram os jogadores, causando interações espantosas entre os usuários do Facebook. Já o jogador do Barcelona, Neymar, roubou a cena e ganhou novos 165 mil seguidores no Twitter.

A melhor Copa de todos os tempos? /ou/ Impactos da Copa nas redes sociais.

Segundo o Portal Proxxima, no dia da estreia da Copa, em que o Brasil jogava contra a Croácia, um a cada três usuários logados no Facebook estava comentando sobre o evento. No final da partida, a rede social teve um total de 58 milhões de usuários que obtiveram um total de 140 milhões de interações, enquanto o Twitter teve 12,1 milhões de postagens.

No jogo entre Brasil e Chile, o Facebook constatou que mais de 31 milhões de pessoas estavam conectadas à rede durante a partida. Isso gerou aproximadamente 75 milhões de interações relacionadas ao jogo, e embora não tenha chegado perto aos números da abertura, continua sendo um recorde em relação aos outros eventos de grande impacto na rede.

 

Segundo o Portal Meio e Mensagem, durante a partida, ainda entre Brasil e Chile, o Twitter conseguiu superar a marca de 12,2 milhões de tweets conquistados na abertura da copa de 2014 e os 381.606 tweets por minuto durante o Super Bowl 2014.  No dia 28, os usuários somaram 16 milhões de tweets, sendo 338.955 por minuto no auge do jogo, com as cobranças de pênaltis.

Seria realmente esta a melhor copa de todos os tempos? Para as redes sociais é!

Por Milena Souza, Pesquisadora de Mídia
PR Newswire