5 Dicas para Maximizar os Benefícios de RP para sua Empresa

Dicas RP

Quando se trata de alcançar seus objetivos e crescer, é evidente que a atividade de relações públicas é importante para o seu negócio. Mesmo com muitas empresas adotando as atividades de relações públicas no seu dia-a-dia, é importante garantir que a sua empresa está maximizando seus benefícios e seu potencial em RP.

Seguir as melhores práticas da CNW – PR Newswire pode ajudar sua empresa a desenvolver uma estratégia de RP de sucesso. Aqui estão cinco dicas para maximizar os benefícios de RP para sua empresa:

Estratégia de RP

Para outras dicas profissionais sobre como fazer a sua empresa crescer, maximizando seus benefícios de RP, baixe BEST PRACTICES FOR GROWTH: ALIGNING PR PROGRAMS TO CORPORATE STRATEGY.

Download Relações Públicas

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Amy-Louise Tracey no dia 21 de junho de 2016. Amy-Louise é Consultora de Comunicação na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Anúncios

Dicas #SocialMedia: Como Usar Hashtags em Marketing e Relações Públicas

Dicas #SocialMedia: Como Usar Hashtags em Marketing e Relações Públicas

Se você já criou uma hashtag para a sua marca, você entende a luta desse título da The Onion: “2 Horas Perdidas em uma Reunião, Pensando em uma Hashtag que Ninguém no Planeta Terra Usará” (texto em inglês).

O artigo pode ser hilário, mas perder horas com uma hashtag – apenas para ter uma e vê-la desaparecer na mídia social – não é tão legal.

Para aliviar um pouco do seu #StressComHashtags, falei com Ryan Hansen (@RPH2004), gerente de mídia social na PR Newswire. Ele abriu uma brecha em sua agenda diária, de promover blogs, press releases, eventos e outros tipos de conteúdo em todas as contas de mídia social da PR Newswire e deu sua visão sobre o tema “hashtag”.

Elas são #Relevantes se colocadas no lugar certo

Poderíamos deixar de lado as hashtags e nos concentrarmos em outras estratégias de marketing. Ryan não concorda com essa afirmação e cita as “hashtags” como sendo o “sistema de arquivo” para o caos da comunicação nas mídias sociais. Elas fazem com que temas complexos ou de amplo alcance sejam mais fáceis de serem procurados e classificados.

“Dos trending topics às conversas mais recentes de cada segmento, as hashtags podem dizer muito com muito pouco”, diz Ryan.

E quais as melhores plataformas para usar hashtags? “Twitter e Instagram”, confirma ele, acrescentando que o LinkedIn não é o lugar certo para elas. E, mesmo o Facebook aceitando as hashtags, “Eu não acredito que elas melhorem muito seu post. Acho que é muito mais eficaz para marcar pessoas, lugares ou páginas ao invés disso”.

Comece #aConversa com o pé direito

Ninguém quer conversar com alguém que empurra ou se autopromove. Da mesma forma, você não pode apresentar a hashtags da sua marca de uma forma agressiva.

Cada plataforma tem as suas próprias melhores práticas e costumes sociais. No Twitter, por exemplo, é melhor publicar apenas uma ou duas hashtags por tweets, devido ao limite de 140 caracteres.

O Instagram não tem esse limite – mesmo com muitos usuários colocando hashtags nos comentários – mas é importante para controlar quantas # você usa.

“Você pode colocar muitas, mas não é recomendado. Faça uma pesquisa e coloque de seis a dez, mas que sejam realmente poderosas”, Ryan recomenda.

Há outra coisa que se deve levar em consideração no Instagram: o tamanho do seu público atual. “Quais hashtags você vai precisar usar”.

Nesse caso, direcione suas hashtags para os públicos-alvo que você mais tem interesse em atrair. Nesse caso não há um limite. Como aponta Ryan, “Nós não somos a Kim Kardashian que não usa hashtags em tudo e mesmo assim recebe 500k likes em suas publicações”.

E se você decidir participar de uma conversa usando uma hashtag? Isso é ótimo, diz Ryan.

“Quando há um trend topic a respeito do que costumamos compartilhar nas mídias sociais, com certeza sua publicação entrará na conversa”.

Mas fique atento e saiba em quais conversas participar. Entenda a origem da hashtag e seu uso atual. Se a hashtag envolve gírias, certifique-se que ela não será mal interpretada por seu público.

Dez minutos de pesquisa hoje podem economizar horas de esclarecimentos em Relações Públicas amanhã.

e-co-1-1-2-why-content-marketing-is-a-question-marketing-your-content1

Hora de #CriarUmaHashtag!

Você está fazendo uma hashtag mas há oito partes de sua campanha que pretende promover, então… você deve criar oito hashtags?

“Criar uma hashtag personalizada para tudo é muito difícil de controlar. Além disso, será difícil que uma delas ganhe força”, diz Ryan.

Consistência é “algo que as pessoas gostam nas marcas quando se trata de mídia social”.

Limite suas campanhas para uma hashtag da marca, e siga esses três conselhos de Ryan:

  • Conte os Caracteres: Entre 6-11.
  • Recurso Visual: Sua hashtag deve ser boa. Criteriosamente, misturar letras maiúsculas e minúsculas é uma maneira de conseguir a atenção do seu público, mas “o usar duas palavras que terminam ou começam com a mesma letra sempre me incomoda! ”, diz Ryan.
  • Fácil de Digitar e Soletrar: mantenha a simplicidade, use “algo que as pessoas estão acostumadas, nada muito complexo”. Um erro de ortografia pode jogar fora toda sua campanha, especialmente se for vulgar ou irônica – a internet ama uma estranha coincidência. “Isso não é nada bom para a sua marca”, diz Ryan.

O que fazer quando você está #Sozinho

Sua hashtag está pronta para ser publicada, e você sabe todas as melhores práticas para cada plataforma. Hora de publicá-la!

Mas não a publique sozinha. Coloque um impulso maior em todos os seus canais de marketing.

“Nós devemos amarrar a promoção da hashtag diretamente com promoções de eventos e de conteúdo, por meio de posts em blogs, press releases, etc”, diz Ryan.

Por exemplo, quando a PR Newswire decidiu entender o mercado de comunicações em 2015 e pediu às pessoas para darem suas definições pessoais sobre Relações Públicas, a hashtag #PRisNow foi usada para criar, reunir e promover as respostas do público.

Como o artigo “5 Steps to Unlocking Successful User-Generated Content”, a campanha foi bem sucedida porque a hashtag não só foi usada na divulgação via mídia social, mas também em posts, mensagens de colaboradores que defendem a marca e publicações de influenciadores.

A mídia social se conecta a tudo hoje. Se você é consistente com sua hashtag em todos os canais pagos, espontâneos, próprios e sociais, você pode “… marcar o seu próprio espaço na esfera social. E ir além”.

Fez a hashtag? #HoraDeTrabalhar

Como você pode saber se a sua hashtag foi bem-sucedida? Isso depende da sua empresa e das suas metas de campanha. Escolha as métricas mais importantes e deixe que elas o guiem. Siga-as constantemente, tome notas das coisas que você fez e qual os efeitos que tiveram.

“Retweetar, compartilhar, a quantidade de likes em um determinado post …” são todas as coisas que Ryan acompanha, mas ele tende a valorizar mais cliques em links compartilhados.

Compreender o impacto a longo prazo da sua hashtag também é importante.

Mesmo se alguém perder o início da sua campanha, a hashtag deve estender a validade da sua mensagem e oferecer ao público um ponto de partida para participar da conversa.

Graças as hashtags destemidas e persistentes, muitas vezes Ryan vê seus links serem acessados muito tempo depois que foram publicados.

Cheque e monitore suas hashtags regularmente. Você vai se surpreender com “a capacidade que uma campanha ou conteúdo tem de atrair pessoas, mesmo quando promovido há algum tempo”, diz Ryan.

E claro, #NuncaPareDeEstudar

“Não é uma ciência exata”, admite Ryan. “É um fluxo constante. A mídia social ainda está evoluindo em ritmo rápido”.

Estas dicas são úteis agora, mas se você nunca experimentar ou explorar a mídia social, você ficará para trás.

“Você tem que ter uma certa flexibilidade e até mesmo a curiosidade para acompanhar”, diz Ryan. “Ainda é uma prova de fogo”.

Curiosidade é a chave para o sucesso do marketing de conteúdo, e você não pode subestimar a importância da promoção e da distribuição.

Baixe Why Content Marketing’s Really a Question of Marketing Your Content e aprenda como atingir o público certo com o conteúdo.

Texto traduzido do Blog Beyond PR, publicado por Scott Hicken no dia 22 de junho de 2016. Scott Hicken é gerente de produto para o SocialPost da PR Newswire, e ajuda as histórias dos clientes a chegarem a mais de 55 mil seguidores no Twitter em quase 50 setores específicos de mercado. Ele também administra o iReach, Microlists, Capital Markets Visibility lists, Feature News e o Customer Account Post. Conecte-se com ele no LinkedIn.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Cision Completa a Aquisição da PR Newswire

Cision completa a aquisição da PR Newswire

No dia de hoje, temos orgulho de anunciar que a Cision finalizou a aquisição da PR Newswire. Ao combinar capacidades, a Cision irá oferecer aos clientes o melhor serviço de distribuição de conteúdo, rede de influenciadores e soluções analíticas do segmento.

Nos últimos seis meses, tenho prestado muita atenção nas conversas ocorridas em nosso segmento a respeito do acordo de aquisição da PR Newswire. As perguntas que escutei variam de “Por que? O press release não está morto? ” ou “Press releases são táticas ultrapassadas.”
Mídias sociais e marketing de conteúdo alteraram drasticamente a forma como as audiências recebem suas notícias. Consumidores estão recebendo informação de novas maneiras e confiando em recomendações de influenciadores chave – analistas, amigos, familiares, colegas, etc. Chamar de press release, news release ou comunicado de imprensa, não importa o nome, é uma forma de marketing de conteúdo. Desenvolver este tipo de material se tornou uma responsabilidade que se encaixa nas tarefas de um relações públicas, de gerentes de mídia social, de gestores de marketing de conteúdo e profissionais de marketing em geral. A resposta? É responsabilidade de todo mundo.

Os programas de comunicação mais efetivos têm uma abordagem holística e quebram as barreiras de “quem é responsável pelo quê”, e em qual ‘ilha’ certas táticas são aplicadas. Nossos trabalhos não estão concluídos uma vez que apertamos o botão ‘Tweet’. Eles não estão terminados depois que postamos um conteúdo no blog. E eles certamente não estão finalizados depois que um press release é distribuído. Comunicadores estão inovando constantemente para ampliar o alcance, para atingir novas audiências relevantes e para persuadir seus públicos de interesse sobre as missões das marcas. Eu tenho visto estas posições evoluírem e ideias explodirem para incluírem novas táticas visando atingir estes objetivos: monitoramento de mídias sociais, engajamento, relacionamento com blogueiros e novas personalidades da mídia (soa como marketing de influenciadores para você?); e também aprender novas formas de análises entre plataformas para provar aos executivos os polêmicos valores dos esforços empenhados.

Esta é a maneira como nossa indústria tem se desenvolvido e mostra o progresso natural da atenção humana, avanços tecnológicos e novas plataformas que deslumbram audiências e mantem seu interesse. Resistência ou estagnação podem, muitas vezes, ser a nossa ruína. Nestes dias e época, comunicadores precisam saber – seu valor é fundamental para as organizações, não importa o tamanho – e sem táticas efetivas, mais integração, mais conhecimento, mais análises e mais insights, profissionais de comunicação não estarão aptos a entregar este valor com consistência.

Se não começarmos a pensar holisticamente sobre conteúdo e campanhas, e continuarmos a pensar neles como partes individuais, continuaremos a enfrentar os mesmos desafios ao invés de derrubá-los.

É por este motivo que as notícias de hoje são tão significativas para nossa indústria.

Com a aquisição da PR Newswire pela Cision, consumidores terão acesso a mais ampla rede de distribuição, rede de influenciadores, melhor monitoramento de mídias e dados analíticos.

Este movimento é o mais novo exemplo do comprometimento da Cision em entregar produtos e serviços inovadores para profissionais de comunicação, mídias sociais e marketing de conteúdo, permitindo que suas histórias cheguem o mais longe possível, atingindo as audiências mais relevantes aos seus negócios.

Dicas para Relações Públicas em Entrevistas com a Mídia

Dicas para Relações Públicas em Entrevistas com a Mídia

Seu press release passou pela rede wire e seus pitches foram enviados. É hora de colher os resultados: as entrevistas! Em breve jornalistas entrarão em contato. Para que tudo dê certo, certifique-se de que o porta-voz que fará a entrevista tem todas as informações que precisam ser comunicadas e esteja preparado para conquistar a atenção da mídia. Isto significa preparar uma breve entrevista à imprensa destacando detalhes e falas com pontos importantes. Confira algumas dicas de como fazer uma boa entrevista à imprensa:

Deixe claro os detalhes

Logo no início de seu resumo, você deve definir os detalhes essenciais. Poucos porta-vozes irão ler todo o conteúdo até o final da sinopse, por isso coloque as informações mais importante logo no começo.

O que:

Obviamente esta é uma entrevista à imprensa. Mas não se esqueça de colocar um título grande e claro para diferenciar este documento de qualquer outro na mesa do seu porta-voz.

Quem:

Inclua o nome e uma foto do entrevistador e para qual veículo de imprensa ele falará. Isso pode ajudar o entrevistado a sentir-se mais confortável se houver um rosto e um nome, especialmente se o jornalista e seu porta-voz nunca se viram antes, e especialmente se esta entrevista acontecerá via telefone.

Quando:

Faça isso da forma mais clara quanto possível. Verifique três vezes, fique atento aos fusos horários.

Onde:

Também é fundamental garantir que o seu porta-voz está no lugar certo no momento certo. Você precisa incluir um mapa e calcular o tempo de viagem se este for até um estúdio de TV, junto com todos os detalhes relevantes para ser recepcionado por alguém e assim por diante.

A maioria das entrevistas são feitas por telefone. Seja claro nesse caso sobre os detalhes da ligação e inclua todas as senhas ou códigos de acesso relevantes.

Como:

Você está conduzindo o porta-voz para um estúdio? Você fará uma conference-call? Ou o repórter ligará diretamente no celular do seu porta-voz? Garanta que não haja dúvida sobre como ele terá que agir. Ser muito claro sobre quem irá ligar para quem e se é um telefonema direto.

Por quê:

Faça uma breve declaração descrevendo como surgiu essa oportunidade: “Esta entrevista é o resultado do press release sobre novos produtos enviado ontem”. “Esta entrevista é o resultado do anúncio de demissões desta manhã”. “Esta entrevista é um resultado de uma apresentação de nosso produto que proporciona um estilo de vida mais saudável para os adolescentes”.

Será que o repórter leu o seu press release? Recebeu a informação completa? Tem conhecimento sobre o assunto que iremos discutir – ele já abordou o tema em discussões anteriores, em uma cobertura ou esta é uma missão de pesquisa?

Forneça o máximo de ângulos que você tem sobre o tema. (Nota: Verifique se o seu porta-voz leu o mesmo material que o repórter.)

Objetivos da entrevista

Qual o seu objetivo com essa entrevista? Liste de uma a três metas para que o seu porta-voz possa enquadrar suas respostas de acordo com elas. Aqui estão alguns exemplos de metas que você pode ter:

Esclarecer esse mal-entendido sobre a alegação de nosso produto não ser saudável;

Apresentar a empresa para esse veículo, com uma visão geral dos nossos pontos fortes;

Explicar os resultados de uma pesquisa em detalhes.

Driving Credibility & Success for Your Brand: How to Earn More Media

Fatos úteis sobre o entrevistador

Dê ao seu porta-voz algumas informações sobre o entrevistador: tais como o que eles cobrem geralmente e qual tema costuma abordar. Por exemplo, normalmente esse repórter é contrário a opinião do senso comum? Ele é novo no assunto ou têm uma longa história com o segmento?

Inclua links para contas de mídia social do repórter se o seu porta-voz quiser ir mais a fundo. Se o entrevistador não tiver nenhuma interação recente com a sua empresa, compartilhe essas informações junto aos links.

Informação sobre o veículo de comunicação

Dê um breve resumo e tipo de mídia, se é impresso, rádio, TV, web ou blog – o que você precisar compartilhar. Incluir links relevantes para o website e contas em mídias sociais, bem como tamanho, importância e audiência. Adicione qualquer outra informação que você acredite ser relevante para dar ao seu porta-voz o melhor entendimento do público e de como a mensagem deve chegar.

Coberturas recente

Compile uma lista de links para notícias, artigos e outras publicações relevantes do jornalista / entrevistador em um recente passado para dar uma noção de estilo e conteúdo. Incluir datas, o nome do veículo (se forem diferentes) e 2-3 frases explicando por que você escolheu cada notícia, apontando por exemplo, se alguma das histórias menciona sua empresa ou seus concorrentes.

Entrevistas com a Mídia

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Melissa Meyer no dia 30 de maio de 2016. Amy-Louise é Assistente de Comunicação na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Quanto uma Empresa Deve Investir em Relações Públicas?

Quanto uma Empresa Deve Investir em Relações Públicas?

“Deveria existir uma fórmula para ajudar as empresas a decidirem quanto investir em relações públicas. Infelizmente, não existe essa conta”, diz Terry Flynn, professor de comunicação do Departamento de Estudos de Comunicação e Multimídia na Universidade McMaster.

Determinar um orçamento para relações públicas é trabalhar com base em análise de risco e gerenciar expectativas e não um molde financeiro. Os profissionais que analisam o budget para relações públicas precisam pensar cuidadosamente além das necessidades da sua organização e conseguir benefícios para capacitar e empoderar tanto o RP como a comunicação da empresa em si.

Alinhar as ações de RP aos objetivos estratégicos

Como em todas decisões importantes, é preciso desenvolver um documento estratégico e sólido. Todas as atividades de uma empresa, seja ela uma loja com apenas um funcionário ou um estabelecimento gigante de dez mil colaboradores, devem ser abordadas nesse estudo. Analise os objetivos estratégicos da organização e considere o papel de RP na conquista dos objetivos.

“Se os objetivos são realmente estratégicos, todos eles devem estar ligados financeiramente e dentro do orçamento”, aconselha Flynn. Dessa forma, você consegue estipular o seu investimento em relações públicas. Entretanto, determinar seu valor exato pode ser complicado.

Mensurar a importância do trabalho de um relações públicas é difícil. Para solicitar budget, prove seu valor levantando alguns pontos de forma sutil. Por exemplo, determinar o valor financeiro de uma equipe bem informada ou uma lista de mídia atualizada pode ajudar neste processo.

“Trinta anos de experiência me ensinaram que uma notícia positiva na mídia desperta o interesse da diretoria pelo seu trabalho”. Hora de você colocar suas cartas na mesa e mostrar no que tem trabalhado, gerando novas expectativas. Aconselha Graeme Harris, Vice-Presidente de Relações Públicas na Manulife. “Gerenciar situações negativas, que abalam a reputação de uma empresa, que provam o valor de RP e conquista a atenção da diretoria”.

“Cada área deve considerar suas restrições de budget”, diz Flynn. “Mas se o RP está vinculado aos objetivos estratégicos, e se você pode mostrar o retorno sobre seus relacionamentos, reputação e engajamento então as conversas ficar mais fácil”.

Mas, muitas empresas estão trabalhando seu orçamento como um desafio. Com a desaceleração econômica busca-se reduzir custos em todas as áreas.

“Não há correlação entre a economia e a importância do RP, assim como não existe uma com outras funções”, destaca Harris. “Seria errado pensar que relações públicas pode de alguma forma aliviar os problemas criados por uma economia em declínio, no entanto, em muitos aspectos, RP pode ser um custo fixo e ser mais eficiente do que outros meios de promover sua empresa em tempos difíceis”.

“Budget é uma questão de escolha: são interesses conflitantes dentro da organização para recursos finitos”, disse Flynn. “RP e comunicação são funções corporativas e devem ser observadas do ponto de vista contrário: O que me custará não ter um programa de relações públicas? ”

RP e Marketing – Próximos, mas ainda diferentes

Marketing e PR não são a mesma coisa. Tenha isso em mente ao tomar suas decisões. Embora as disciplinas estejam integradas em muitas atividades como em mídias sociais e em Content Marketing, “Relações Públicas é uma função separada definida a partir de marketing que deve ser única e ter os próprios recursos”, Flynn aconselha.

“A experiência e pesquisas nos dizem que esses departamentos precisam estar sempre presentes”, diz Flynn. Marketing de conteúdo e branding tem o foco centrado no cliente, e tem sucesso ao criarem relacionamento. Relações Públicas e comunicação, por outro lado, atingem outros públicos. Como você se comunica com os funcionários, por exemplo, é diferente de como deve se comunicar com os jornalistas, investidores e clientes.

Marketing deve recuar em algumas áreas, e entrar relacionamento com a mídia e qualquer outra forma de comunicação de crise sendo responsabilidade de comunicação. Enquanto as ferramentas de marketing, tais como modelos ou plataformas web são úteis na realização dos objetivos de finais, é a equipe de PR e comunicação que são treinadas para criar e divulgar mensagens corporativas estratégicas.

O Custo de Saber Versus Não Saber

Se uma organização não está certa quanto à importância das relações públicas e da comunicação, essa é a hora de considerar o valor do status e de reputação em seus objetivos estratégicos. Será que as vendas melhoram se a linha de produtos da empresa for noticiada com críticas favoráveis na imprensa? Aumentaria o investimento se melhorias ambientais de uma empresa forem mais conhecidas? Será que perdemos a nossa força no mercado se um boato já resolvido sobre a nossa empresa ressurgir?

Se a sua reputação está alinhada com os objetivos estratégicos, o próximo passo é considerar o preço para se manter a percepção atual de mercado ou de melhora-la vs. não fazer nada. Você poderia colocar algumas estimativas gerais em torno das perdas de receita ou cobranças legais, e você poderia incluir o custo de contratar uma agência especializada para resolver a situação quando ela acontecer.

“A meu ver, as ações de relações públicas é uma ferramenta para reputação. Devemos protege-la e melhora-la com a ajuda dos meios de comunicação”, diz Harris. “Se este é o papel do departamento, uma empresa esclarecida vai entender que os recursos necessários são um bom investimento”.

Mas a verdadeira visão sobre métricas de reputação e seus impactos sobre os objetivos estratégicos vem da mensuração do dia a dia, geralmente como base em um programa contínuo de pesquisa e avaliação. Isto significa que em um mundo ideal, uma parte saudável de seu orçamento de RP seria alocada à mensuração. Sim, você precisa investir agora para realmente saber quanto investirá no próximo ano.

“Medir suas ações de relações públicas, mesmo que com algumas falhas é importante porque atribui um valor às suas atividades de uma maneira que a empresa pode entender. Eu diria que a precisão na mensuração de RP não é diferente da usada para medir o impacto publicitário”, diz Harris.

O custo para mensuração pode ser diferente de acordo com cada organização e mercado. Para alguns, uma empresa de pesquisa que oferece serviços completos de reputation score card é uma despesa essencial, enquanto outras podem recorrer às pesquisas DIY.

Todas as empresas devem ter ferramentas que auxiliam no monitoramento de mídia tradicional e social, e a faixa de preço dessas ferramentas difere de acordo com seus benefícios e diferenciais.

“O aumento na mensuração digital também pode completar as ações de relações públicas, especialmente se você ver o nível de atividade e as taxas de clique em anúncios. Também é importante para medir a atividade social de relações públicas. Por exemplo, quando a sua notícia é escolhida pelos meios de comunicação e você a promove nas mídias sociais – é um case de relações públicas e deve ser medido como tal”, diz Harris.

Considere a mensuração como parte essencial para o orçamento de RP. Será o ponto de chave para todos os debates sobre budget que vierem pela frente.

As Verbas Envolvidas em relações públicas

As Verbas Envolvidas em relações públicas

“Não é difícil de defender o seu budget para RP se você demonstrar que você quer encontrar novas maneiras de reduzir custos, integram os custos com outras atividades, ou usam uma abordagem de orçamento com base zero por exemplo, onde todas as atividades de RP são financiadas pelo negócio caso-a-caso”, sugere Harris.

Além do monitoramento de mídia e da mensuração, as equipes de RP e comunicação também precisam de orçamento para distribuição de conteúdo, por exemplo custos newswire ou assinaturas de plataformas de mídia social. Cada vez mais, RP está utilizando mídia paga em seu mix de comunicação, exigindo, portanto, orçamento para publicações patrocinadas no Facebook, LinkedIn e Twitter promovidos além de ações semelhantes em outras plataformas. Promover um post também é benéfico para divulgar conteúdo – forma de publicidade que muitas vezes é uma responsabilidade compartilhada entre as equipes de relações públicas e marketing, devido a sua mensagem.

Fique atento aos custos para desenvolvimento de conteúdo multimídia. Muitas vezes as relações públicas podem usar elementos visuais criados para marketing, mas também podem precisar contratar seus próprios fotógrafos ou cinegrafistas, criar novas imagens e redações. E por falar nisso, os profissionais de RP precisam assinar revistas e jornais para acompanhar a repercussão de suas ações. Muitas vezes, as versões online e impressas são diferentes.

Quem, quanto e o quê?

O ideal é descobrir o que você almeja da sua equipe em termos de funções e comunicação antes de projetar e custear seu departamento de relações públicas. Muitas organizações possuem executivos assistentes habilidosos e extremamente capazes que planejam as festas de final de ano, Town Halls e outros eventos internos, festas patrocinadas e discursos executivos. Algumas empresas têm uma equipe de marketing de produtos talentosa capaz de escrever anúncios, comunicados aos cliente e apresentação de vendas. Na ausência desse apoio, muitas vezes, essas tarefas caem no departamento de relações públicas e comunicação.

Faça algumas ligações entre os possíveis candidatos poderá ajudar a definir qual será o seu orçamento. “Quantas pessoas você precisa dependendo da atividade ou função”, diz Flynn. “Não há mágica ou teorema para um número de funcionários”.

Considere o tamanho de uma empresa, os seus objetivos estratégicos, o motivo de suas atividades de relacionamento com a mídia, sua comunicação e sua integração com o marketing.

“No Canadá, por exemplo, há menos funcionários em tempo integral do que em uma empresa do mesmo segmento nos Estados Unidos”, Flynn observa. “Nós estamos fazendo mais com menos, mas também temos menos população”, diz ele. “Isso não significa que a função é menos valorizada; isso significa que nós encontramos maneiras diferentes de alcançar nossos objetivos”.

Por exemplo, a empresa Maple Leaf Foods, durante uma crise em 2008, tinham três pessoas de RP que fizeram um trabalho incrível e salvaram a sua reputação, diz Flynn. A empresa também contratou ajuda para comunicação externa. “Tudo depende da capacidade das pessoas que estão na equipe”.

“Se o departamento de relações públicas também é responsável pelo gerenciamento de problemas e comunicação de crise, então o negócio deve garantir que a área tenha os recursos necessários”, diz Harris.

Algumas empresas mantém uma pequena equipe in-house para gerenciar o trabalho de rotina, mas deixam uma agência em stand-by caso apareçam eventos especiais ou que mereçam a atenção, como reestruturações, aquisições, lançamentos de produtos ou crises, quando as demandas de comunicação podem ser esmagadoras. Outras empresas constroem departamentos robustos capazes de lidar com qualquer tarefa sem ajuda externa. Ainda há quem prefere terceirizar toda a função, mantendo apenas uma pessoa na empresa para gerenciar o relacionamento com a agência.

As funções atendidas pela equipe de comunicação são variadas e também precisam ser levadas em conta ao decidir sobre o tamanho da sua equipe.

Por exemplo, se você tiver encarregado a sua equipe com as comunicações internas e externas, você provavelmente vai precisar de alguém supervisionando todo o departamento, bem como pelo menos uma pessoa responsável pela interna e outra para externa. Você também pode querer alguém para mídia social ou para trabalhar em projetos de integração com marketing. Orçamento para pessoal também depende do nível de experiência que você precisa e a faixa salarial em sua área; salários dependem da posição.

Os profissionais de relações públicas são generalistas, mas não acumule diversas responsabilidades para uma única pessoa ou uma equipe pequena. Só porque eles podem fazer tudo, não significa que eles devem fazer tudo. Por natureza, RP é uma área de alta responsabilidade e você não quer perder funcionários e ter custos com uma nova contratação.

O que você deve investir em RP?

Um orçamento de relações públicas e comunicação é uma decisão estratégica que difere de uma empresa para outra, mas é uma função importante e crítica para todas. As consequências de um budget de RP subfinanciado gera custos inesperados em outras áreas, incluindo a perda de receita, rotatividade de pessoal, despesas legais ou a contratação de uma consultoria para comunicação de crises.

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Laurie Smith no dia 26 de maio de 2016. Laurie é VP de Comunicação Estratégica e Relacionamento com os Públicos na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Relações Públicas – Profissão Essencial nas Organizações

Relações Públicas – Profissão Essencial nas Organizações

Nos dias de hoje, em que o mundo está conectado nas redes sociais e a internet está cada vez mais acessível, o profissional de relações públicas tornou-se indispensável dentro das organizações. Isso porque cada vez mais pessoas utilizam canais como Twitter e Facebook para falar sobre uma empresa e seus produtos ou serviços. Isso serve tanto para elogios como críticas também.

Nós conversamos com Nick Cowling, Presidente norte-americano da Citizen Relations, sobre como uma boa campanha de RP muda tudo.

“Os conceitos de transparência nas comunicações e acesso aos stakeholders estão mutuamente ligados e eles não são nada como eram há dez anos ou até mesmo há seis meses”, diz Cowling. “A aprovação social ou de uma comunidade não é gerenciada por divulgações. É engajamento em uma conversa abertas de duas vias”.

A transparência ajuda a manter o diálogo aberto entre empresa e público de interesse e   conectar as pessoas. Consequentemente isso ajuda você a atingir seus objetivos.

“Há poucas coisas que você pode manter em segredo no mundo de hoje e a expectativa do público de exercer os seus direitos como cidadão nunca foi tão grande. Por isso, as relações públicas são essenciais para qualquer marca ou empresa que está começando ou quer crescer no mercado”, explica Cowling.

Então o que acontece quando uma empresa migra para um novo mercado ou quer mudar sua forma de abordagem nos negócios? Cowling diz que um plano de PR bem executado é o segredo para obter sucesso com essas mudanças:

“A expansão de negócios – de qualquer tipo – quase sempre requer permissão ou aprovação regulamentada”, diz ele. “E por definição, isso exige uma entidade externa para avaliar e julgar a validade das intenções e reivindicações de negócio. Participar do diálogo é uma necessidade, e isso demanda de um plano de RP claro e conciso para apoiar e alcançar o crescimento desejado”.

Este plano deve incluir o envolvimento de todos os públicos de interesse da empresa, ou seja: os colaboradores,  a comunidade, clientes, fornecedores, entre outros. Além da integração e participação em fóruns e demonstração de valores compartilhados, que são todas as funções básicas de uma estratégia de PR bem executada.

Defining the Metrics that Will Demonstrate ROI to Clients

Para as empresas bem-sucedidas, novos mercados só são considerados se as propostas são acompanhadas por programas de reputação eficazes que se concentram na transparência e no engajamento.

“As empresas que costumam buscar expansão, sem engajamento em relações públicas eram do setor extrativo – mineração, petróleo e madeira. Muitas vezes, em partes remotas do mundo não existiam regras e leis, não se exigia explicações”, disse Cowling. “Isto já não é mais o caso, e muitas destas indústrias são agora benchmarks de comunicação e programas de apoio a qualquer novo desenvolvimento ou expansão”.

“Uma mina remota na América do Sul não é tão remota como costumava ser, com acesso universal à tecnologia de mapeamento por satélite ou com ações e ativismo de ONGs.”

Não há dúvida de que contar a sua história também é crucial. Evoluir é estar engajado em um mundo conectado e em constante mudanças sociais.

“O engajamento aumenta em um ritmo forte e como resultados visíveis. Mais um motivo para as relações públicas serem essenciais”, diz Cowling. “RP nunca foi uma escolha, e o poder de um bom profissional de relações públicas está em compreender melhor as marcas de hoje para contar as suas histórias. Não apenas quando elas querem, mas o tempo todo, com para todos os stakeholders e em todas as plataformas”.

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Laurie Smith no dia 18 de maio de 2016. Laurie é VP de Comunicação Estratégica e Relacionamento com o Público.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

4 Dicas para Construir um Bom Relacionamento com a Mídia

4 Dicas para Construir um Bom Relacionamento com a Mídia

Um programa sólido de marketing de conteúdo e distribuição são pontos críticos para as equipes de relações públicas. Por meio dele, podem comunicar seu valor aos clientes e até mesmo se auto promover como líderes de pensamento. Embora a criação e distribuição de conteúdo seja uma grande parte de qualquer estratégia de comunicação eficaz, também é importante não se esquecer dos canais de mídia espontânea.

O endosso da mídia é muito mais eficaz e tem mais credibilidade do que mensagens da própria marca ou anúncios publicitários, de acordo com uma pesquisa realizada pela The Nielsen Company.

Nesse cenário de constante evolução, tornou-se mais difícil gerar mídia espontânea. Os comunicadores precisam encontrar novas maneiras de alcançar os veículos de comunicação e os jornalistas para construir uma relação sólida com a imprensa.

Pensando nisso, listamos quatro dicas simples para ajudar você a construir o seu relacionamento com a mídia:

Build+relationship+with+the+media

1.Conecte-se com Influenciadores na Mídia Social

O ambiente social deu às equipes de RP uma nova maneira de se conectarem com a mídia online. A informalidade de seguir e interagir com influenciadores e jornalistas nas redes sociais lhe dá um entendimento sobre o que eles estão escrevendo/falando, o que é uma vantagem enorme quando se trata de divulgar uma notícia sobre sua marca. Por conta disso, não bombardeie ou envie spam a um jornalista com comentários, curtidas e links para o site da sua empresa, mas se você tiver algum tema que se relacione com o que ele está fazendo, engaje-se com ele.

social media

2.Compartilhe Informações com Influenciadores na Mídia Social

Como mencionei acima, é importante não mandar spam para um jornalista, mas se a notícia da sua marca é relevante ou interessante para ele ou tem uma história particular que um repórter possa se interessar, não tenha medo de compartilhar esse conteúdo com ele. Apenas certifique-se de que as mensagens que você está compartilhando são relevantes e interessantes para um influenciador em particular. Caso contrário, o próximo passo dele pode ser excluir você.

3.Entregue Dados Interessantes, Dicas ou Fatos

Prenda a atenção de um jornalista ou dê a ele um ângulo original da sua história ou estatísticas curiosas de interesse jornalístico. Por que não ir um passo adiante e tornar seus dados ainda mais atraente e atrativos, destacando cada pontos-chave em um infográfico. Elementos visuais e multimídia funcionam extremamente bem na mídia social. Para saber como criar um infográfico que chama a atenção, clique aqui.

4.Encoraje a Presença Social do seu Cliente

Incentive o seu cliente a construir sua própria presença social e selecione conteúdo para garantir presença constante. Ela também pode ser usada para promover o cliente como uma referência em determinado assunto e isso também é outra maneira pela qual ele pode ganhar mídia ou exposição de sua marca. Tweets hoje são capturados e frequentemente usados em artigos e notícias, isso conta como mídia espontânea. Um retweet de um influenciador com um grande número de seguidores também pode resultar em um aumento da exposição de marca.

Relationships & Discoverability: Earning More Media for Your Clients from CNW’s Knowledge Centre

Para mais informações sobre relacionamentos com a mídia e para uma visão detalhada sobre como conduzir a descoberta de seu conteúdo, ajudando a mídia a encontrar organicamente suas mensagens, baixe Relationships & Discoverability: Earning More Media for Your Clients from CNW’s Knowledge Centre.

Texto traduzido do Blog Beyond Wire, publicado por Amy-Louise Tracey no dia 11 de maio de 2016. Amy-Louise é Consultora de Comunicação na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire