Como a Mídia Social Mudou a Forma de Fazer Notícia

Como a Mídia Social Mudou a Forma de Fazer Notícia

As mídias sociais estão mudando a forma de como as notícias são divulgadas, mas algumas regras antigas ainda prevalecem. Segundo Aaron Davis do Washington Post, se você está em uma reunião e escuta um “furo” exclusivo e na sala não há outros jornalistas presentes, e a notícia nunca foi divulgada nas redes sociais, guarde-a para você.

Davis cobre política e governo e, recentemente, esteve no Society of Professional Journalists Panel com dois outros colegas para discutir os desafios de cobrir a capital dos Estados Unidos.

“A internet mudou a forma de divulgação das notícias”, Davis menciona que o jornal Washington Post sempre considera o timing para suas publicações. “O planejamento virou de cabeça para baixo”.

Muitas das principais notícias do Washington Post são colocadas on-line logo cedo – perto das 06:00 ou 07:00 – literalmente, quando as pessoas estão acordando para ler as notícias em seus smartphones. O próximo grupo é liberado pouco antes do almoço, quando os leitores de novo estão on-line para ver o que está acontecendo.

A estratégia se intensifica ainda mais quando se trata de segurar notícias que poderiam ser publicadas no período da tarde ou até mesmo considerar divulga-las na manhã seguinte.

Publicar no impresso ou on-line? Dicas para novos jornalistas

Dicas para novos jornalistasDevemos considerar a experiência do leitor.

O que é uma tendência no Washington Post on-line não pode ser uma notícia adiada para publicação impressa de primeira página no dia seguinte. A escolha depende de como o dia se desenrola, diz Davis.

Washington não é única – é como qualquer outra cidade com uma infinidade de notícias locais.

Então, o que ela tem a oferecer quando falamos de cobertura local? Se você responde política, não está errado, mas saiba que o DC está repleto de outras notícias.

Segundo Kavitha Cardoza, repórter que cobre educação na rádio WAMU (FM) de Washington e é membro do corpo docente do Departamento de Comunicação da American University, diz que a estação está adicionando novos “ritmos”.

Entre eles, raça e etnia agora tem seu espaço. Antes, o WAMU dividia notícias de acordo com a geografia, com profissionais cobrindo estados diferentes como Maryland e Virginia.

O Washington Post também pensa no DC como uma cidade em transição – visualizando economia e sociedade, diz Davis.

“A questão racial no DC é uma questão bastante interessante”, diz ele, acrescentando que a cidade costumava ter uma maioria negra. “Agora não tem maioria, mas ainda é muito segregada”.

Twitter para anotações

Cuneyt Dil, fundador da newsletter District Links e freelancer em The Current Newspapers, diz que ele fica atento às notícias em desenvolvimento. Sejam elas sobre os bairros do distrito frente a um grande progresso ou sobre empresas, Dil sempre quer “encontrar o ângulo do DC”.

The Washington Post, Davis traz uma analogia usada por outro jornalista que uma vez o surpreendeu:

“Use o Twitter quase como o seu caderno de notas”, disse Davis. “Tweet sobre as coisas mais interessantes, permitindo que os leitores fiquem informados sobre todos os fatos quase tão rápido quanto você. Em seguida, volte e crie uma notícia”.

No painel, ele se despediu com um conselho para os novos jornalistas que estão entrando para começando a ingressar nessa atividade:

  • Construa um público no Twitter. Tenha um perfil online que fale sobre você.
  • Saiba como fazer tudo. Familiarize-se com áudio e vídeo. Tire fotografias. Seja capaz de construir imagens.
  • Conheça o seu ofício. Cardoza acrescentou que estagiar em um veículo impresso é difícil. “Você deve começar pelo impresso”, diz ela. “Às vezes, vejo jovens estagiários que querem ser jornalistas, mas eles estão muito focados em mídias sociais. Existem princípios básicos do jornalismo que você tem que saber”.
  • Escreva rápido. Na mesma rapidez que escreve, você deve ser capaz de conquistar as pessoas; sua escrita deve chegar ao editor rápido. “Não conte com a publicação para você ser melhor”, diz Davis. “Você tem que ser melhor”.

Texto traduzido e adaptado do Blog Beyond Bylines, publicado por Christine Cube no dia 18 de maio de 2016. Christine é Gerente de Relacionamento com a Mídia da PR Newswire.

Tradução e adaptação: Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Anúncios

10 Erros Terríveis que Novos Blogueiros Cometem

10 Erros Terriveis de Blogueiros Quando você começar a blogar, não é difícil se envolver com as novidades.  É quando os erros são mais prováveis de acontecer. Aqui estão 10 itens que devem ser evitados por todo novo blogueiro.

1) Seus posts são muito difíceis de entender.

Mesmo os temas mais sofisticados podem ser quebrados e simplificados. Seu objetivo como blogueiro é trabalhar a favor da leitura. Cada frase deve fluir naturalmente, sem confusão ou interrupção. Blogar não é uma oportunidade de mostrar suas habilidades de alto vocabulário – guarde isso para jogar palavras cruzadas! Se for inevitável o uso de termos menos conhecidos, tente usar imagens. Nós somos criaturas visuais. Às vezes temos que ver fotos, mapas e gráficos para entender alguns conceitos. Se você não é muito um especialista gráfico, confira as 14 Ferramentas Incríveis de Design para Blogs. A minha favorita é a Canva.

2) Você não investe tempo suficiente para edição.

Não ter o tempo para editar é mais óbvio, mas esquecer disso é um erro que um blogueiro comete. Erros gramaticais e ortográficos muitas vezes contribuem para a falta de fluidez de textos e posts do blog. Não deixe que a preguiça acabe com seu conteúdo. Faça verificação ortográfica e releia o seu post várias vezes. Ajuda se você tiver alguém para lê-lo antes de você pressionar o “botão publicar”. Como para um escritor, gramática e edição pobre diminuem a sua credibilidade.

3) Seus posts são difíceis de serem lidos visualmente.

Às vezes, você pode escrever um conteúdo incrível, mas sua escolha de design precário perde leitores. Aqui tem um checklist simples para você. Verifique se o seu blog tem:

  • Fontes fáceis de ler.
  • Fontes não muito pequenas ou muito grandes.
  • Espaço entre os parágrafos.
  • Texto alinhado à esquerda (nem centralizado, nem justificado).
  • Bullets e listas numéricas.
  • Fontes coloridas adequadamente (padrão: texto preto e fundo branco).

4) Suas imagens precisam de ajuda.

Tente usar sempre imagens de alta resolução. Elas não só são mais agradáveis para os olhos, como também oferecem um senso de profissionalismo. Quanto mais credibilidade seu blog tiver, mais os leitores vão confiar em lê-lo. O mais importante para imagens: certifique-se que você está redimensionando corretamente suas imagens. Não as distorça. Precisa de arquivos multimídia para o seu blog? Aprenda como usar o PR Newswire for Journalists, galeria multimídia para encontrar e baixar milhares de fotos e vídeos.

5) Seu blog tem um player de música automático.

Nada é pior do que tropeçar em um site, e ao final do carregamento da página, começa uma música irritante. O que já foi popular durante a “Era Myspace” foi extinto. Além disso, os players de música pode fazer a sua página ficar lenta, afastar os leitores de continuar em seu site. Livre-se dos auto-plays, e se for necessário insira links embed de sites como o SoundCloud ou YouTube, que permitem que aos leitores reproduzir a mídia quando quiser.

6) Seu blog é muito egocêntrico.

Sim, seu blog deve mostrar a sua personalidade e compartilhar suas experiências – mas somente se ele vai beneficiar o leitor. Seu blog não é um reality show. A dura realidade é que, a menos que você seja uma celebridade, incrivelmente divertido ou alguém disposto a divulgar toda a sua vida sem inibição, ninguém vai se preocupar com a sua vida pessoal, a não ser seus amigos mais próximos. Use suas experiências apenas para melhorar a sua mensagem. A maioria dos seus leitores não quer saber nada sobre você, a menos que os beneficie de alguma forma. Lembre-se: Seu blog deve ser sobre o seu leitor! Tente reconhecer outros blogueiros também. Aproveite o tempo livre para atender seus leitores aqui e ali com brindes, pesquisas e entrevistas, agradecimentos, comentando de volta, etc.

7) Há muita quantidade, e não qualidade suficiente.

Não sature seus leitores com posts inúteis, especialmente para fins de SEO. Claro que você segue uma programação, mas a pior coisa que você pode fazer com um leitor é desperdiçar o seu tempo com “groselha”. Simples assim.

8) Você não presta atenção no seu público leitor.

Saiba para quem você está escrevendo e o entenda, ele pode até mudar. Sempre preste atenção em quem está lendo o seu blog, quem está comentando, etc. Por exemplo, você começou o seu blog com foco no público em geral, mas pode perceber que os leitores estão sendo atraídos para temas específicos. Talvez você prefira se concentrar nesses temas.

9) Seus títulos são chatos.

Títulos são a primeira coisa que os leitores veem em todas as plataformas de mídia social. Faça valer a pena! São as primeiras impressões sobre o seu conteúdo. Desenhe seus leitores em travando seu interesse. Use títulos criativos, mas, ao mesmo tempo deixar claro que você está oferecendo. Conquiste seu público pelo interesse deles. Use títulos criativos, mas ao mesmo tempo deixe claro o que você tem a oferecer.

10) Não espere visitantes.

Seus primeiros posts foram um sucesso – ótimo! E agora? Um erro comum entre novos blogueiros é ficar esperando que seus leitores virem visitantes regulares. A segunda parte de blogar implica em promover o seu blog. Os leitores em toda internet e nas mídias sociais são preguiçosos. Eles odeiam ter esforço para visitar sites – eles têm que tropeçar com eles em algum lugar que frequentam. Publique seus posts de blog em diferentes plataformas de mídia social – Twitter, Facebook, Pinterest, etc.

Sem “encontrabilidade”, a maioria das pessoas não vai saber que você escreveu um novo post. Espalhe seus posts sempre que puder, mas ao mesmo tempo não seja irritante. É ótimo promover seu blog dentro de redes orientadas, como grupos em redes sociais, fóruns, eventos de blogs, etc.

Saiba mais sobre estratégias e ferramentas para promover o seu blog na 2ª parte do nosso Webinar #BlogTips.

10 Erros Terriveis de Blogueiros

Confira no dia 07 de Maio às 12h00 (horário de Brasilia), onde vamos falar sobre:

  • Como aproveitar melhor o seu tempo nas mídias sociais.
  • Dicas para posicionar o conteúdo do seu blog e promover o seu conhecimento.
  • E-mail marketing e outros canais de distribuição para aumentar a audiência de seu blog.

Para participar Registre-se aqui!
Tweet ao vivo conosco nesse dia usando a hashtag #blogtips.

Texto foi traduzido do post escrito por Melissa Ibarra no Blog Beyond Bylines, no dia 16 de abril de 2015.

Melissa Ibarra é Especialista de Serviços para Comunidades Online (ProfNet) na PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Conteúdo de Qualidade Conduz as Buscas Online e Visibilidade

Conteúdo de Qualidade Conduz as Buscas Online e Visibilidade

De acordo com o estudo anual Ranking Factors Study do Searchmetrics, o Google fez algumas grandes mudanças na forma como seu algoritmo avalia o conteúdo e atribuir classificação nas buscas. A qualidade do conteúdo é o tema recorrente do estudo, que oferece importantes lições e oportunidades para os profissionais de marketing de conteúdo, relações públicas, blogueiros e qualquer pessoa que publica conteúdo digital na web.

PR & SEO – Still Driving Discovery

Leitura Relacionada: PR & SEO – Still Driving Discovery

“Alta qualidade e conteúdo relevante é cada vez mais o foco das pesquisas. Este tipo de conteúdo é classificado melhor que a média, e é identificável por meio de alguns fatores, tais como o maior número de palavras e texto semanticamente abrangente, bem como, muitas vezes enriquecido por outras mídias, como imagens ou vídeo”.  – Searchmetrics 2014 Ranking Factors Study.

SINAIS HUMANOS

Antes de mergulharmos nas táticas, primeiro precisamos olhar os sinais que indicam a qualidade do conteúdo para o Google.  No topo da lista está uma métrica que é nova para os dez principais fatores – a taxa de cliques (Click Through Rate ou CTR). Esta é uma mudança importante e enfatiza a importância de ações do usuário como indicadores de qualidade. A maioria dos fatores no ranking de busca é derivada de sinais sociais, e como a taxa de cliques, elas também indicam a qualidade do conteúdo. Ações do usuário e sinais sociais são consequência de interações humanas com o conteúdo, o Google está assumindo que as pessoas não vão gostar, compartilhar, publicar ou clicar em um conteúdo que elas não consideram útil ou interessante.

NA PÁGINA DE CONTEÚDO

Além da interação com o usuário, o Google também está avaliando o conteúdo na página. No entanto, os elementos valiosos para Google nas páginas mudaram drasticamente.

Ênfase em conteúdos longos é uma dessas mudanças. Há uns dois anos, muitos conteúdos foram desaprovados.  Hoje, o inverso é verdadeiro. O público está mostrando mais disposição, e até mesmo desejo, de consumir conteúdos extensos. Estudo de caso – Confira a popularidade dos longos monólogos de John Oliver no seu novo programa, Last Week Tonight. Numa época em que o jornalismo vem diminuindo a amplitude e profundidade, os monólogos de Oliver sobre a neutralidade da rede, regras de rotulagem de alimentos e jogos de azar em Cingapura parece ser um fracasso na certa. Mas, em vez disso, são grandes hits.

VISUAL

Conteúdo de Qualidade Conduz as Buscas Online e VisibilidadeNo início deste ano, compartilhamos os resultados de nossa análise de formatos de press releases, e concluímos que o conteúdo que inclui vários elementos visuais geram números significativamente mais visualizações online do que os com apenas texto.

O estudo Searchmetrics reforça nossas descobertas, apontando que as páginas da web com mais imagens por página conseguem melhor posicionamento nos resultados de pesquisa. “Fotos e vídeos não só tornar o texto mais atraente para os usuários, mas para o Google, esta tendência pode se desenvolver de forma positiva e ser limitada a certo nível”, concluíram os autores, indicando que recursos visuais tendem a exercer seu poder nos rankings de busca nos próximos anos.

DICAS PRÁTICAS PARA OS CRIADORES DISTRIBUIREM SEU CONTEÚDO:

É hora de falar sobre as melhores práticas para o conteúdo destinado a distribuição ou hospedagem em outros sites que não são o principal da marca, tais como comunicados de imprensa enviados por uma agência de notícias, conteúdo para compartilhamento em redes sociais e artigos e posts em blogs convidado destinados a sites de terceiro.

Incentive os cliques (CTR) com uma chamada clara e visível para a ação. Mesmo essa sendo uma velha tática dos blogueiros, muitos profissionais de Relações Públicas não pensam em incorporar call to action nos comunicados de imprensa que emitem. Mas deveriam, por que quando você distribui um press release on-line por uma rede como a da PR Newswire, a sua mensagem aparecerá em centenas, senão milhares de sites diferentes. Incorpore um call to action, na forma de link, no topo da página (Eu prefiro colocar a chamada logo após o primeiro ou segundo parágrafo). Crie um link direto para seu website. Algumas dicas para não ter como errar:

  • Limite o número de links. Muitas vezes eu vejo press releases saturados de links. Ofereça aos leitores uma escolha clara de canais em direção a uma página específica. Vários links espalhados pelo comunicado de imprensa (especialmente no primeiro parágrafo) é uma distração e um desligamento para os leitores. Além disso, isso pode ser visto como spammy pelos buscadores. Menos é mais quando se trata de links.
  • Não link sua home page em qualquer lugar do press release, exceto no boilerplate. Em vez disso, envie os leitores para páginas específicas e relevantes que oferecem mais informações ou um próximo passo para eles. Não despeje o seu leitor na home page do seu site para obrigá-los a encontrar mais informações relacionadas com o press release que foi distribuído.
  • Para o link mais importante, você deve usar o call to action. Use a URL completa, não um link incorporado. Alguns sites não publicam links incorporados, deixando os internautas sem nenhum lugar para clicar. Usar uma URL curta ou customizada torna mais fácil acompanhar as importantes taxas de cliques (Click Through Rate).

Inclua múltiplos recursos visuais. Além de se beneficiar com a visibilidade nos buscadores, diferentes opções visuais captam mais a atenção para a mensagem. Por quê? Nós somos criaturas visuais, somos atraídos por imagens. Além disso, cada imagem ou vídeo que você inclui na sua mensagem, carrega seu próprio potencial para gerar visibilidade. Isso quando as pessoas compartilharem os elementos visuais individuais, como fotos, que estão aplicadas na sua mensagem. Criando novos caminhos e links que trarão mais pessoas para ver a sua história.

Escreva naturalmente usando uma mistura entre palavras-chave e siglas relacionadas. Por exemplo: Eu escrevo sobre press releases, muito! Ao invés de usar as palavras “press release” sempre e sempre, eu uso sinônimos como “comunicados de imprensa”, “anúncios”, “mensagens”, “notícias” e “conteúdo”. Isso tem dupla finalidade: Tornar minha escrita mais fluente para os leitores e injetar terminologias adicionais que aumentam a relevância do conteúdo. Dando ao Google mais informações sobre o assunto na página.

Vá fundo. Esse post superou 1.200 palavras. Quando eu comecei a escrever, blogs de melhores práticas sugeriam que as mensagens deveriam ser um pouco mais curtas, geralmente o comprimento padrão que eu usava era de 300 palavras. Agora estou expandindo o meu pensamento e produzindo conteúdo em posts mais longo, e eu estou usando a mesma tática para press releases emitidos pela empresa – quando possível, eu incluo citações, informações e outros conteúdos relevantes, o público pode achar interessante. Não estou me distanciando ao acrescentar algumas centenas de palavras a mais. O melhor do Google está no formato longo, isso nos dá permissão (e incentiva) para que possamos explorar e expandir nossas ideias em profundidade.

*Uma nota importante: Só porque o conteúdo é longo não significa que ele automaticamente irá gerar mais visibilidade. Comprimento não significa nada se o conteúdo não for robusto.

A qualidade do conteúdo que uma marca publica pode ter um profundo efeito não apenas sobre a visibilidade da mensagem ou de sua reputação online. Conteúdo de qualidade pode produzir sinais que ajudarão a conduzir o site para o topo da página de resultados de busca. E ao longo desse caminho, conteúdo editorial de qualidade ajudará as marcas a ganharem mídia espontânea, influenciar no processo de compra dos consumidores e contribuir para o compartilhamento social e para ações dos internautas que amplificam as mensagens e histórias da marca dentro de novos públicos. O resultado? Visibilidade duradoura para a mensagem e mais retorno sobre o investimento em Relações Públicas e Marketing.

Este texto foi traduzido do post escrito por Sarah Skerik no Blog Beyond PR, no dia 01º de outubro de 2014.

Sarah Skerik é Vice-Presidente de Comunicação Estratégica da PR Newswire, e autora dos e-books Driving Content Discovery e  New School Press Release Tactics.  Twitter: @sarahskerik.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire