Como Adaptar Conteúdo para Plataformas de Mídia Social

Como Adaptar Conteúdo para Plataformas de Mídia Social

Você acabou de escrever um ótimo texto e criou um título brilhante. Agora, como usar a mídia social para aumentar o seu alcance do seu conteúdo e atrair o público certo? Só compartilhar o link pelas redes é o ideal? Não seja tão preguiçoso!

Para melhor seu desempenho, o seu conteúdo deve ser ajustado para se adequar para cada plataforma. Um profissional de marketing experiente incluirá a adaptação do conteúdo como uma tática dentro de sua estratégia de distribuição para que sua mensagem neutralize o ruído, presente em todas a mídia e atinja seu público-alvo da forma correta.

Vamos ver quais são as melhores práticas e adaptar seu conteúdo para cada plataforma de mídia social:

Twitter Conteúdo

Apesar de ter sido anunciado que links e imagens não serão mais contados como caracteres, o Twitter ainda impõe uma restrição de 140 caracteres. Enquanto isso é um desafio por alguns, a Oracle diz que essa característica deve ser explorada em vez de ser temida. A famosa restrição do Twitter nos obriga a ir direto ao ponto e eliminar informações desnecessárias.

1. Forte apelo à ação

Com uma concentração comparável à de um peixinho dourado, humanos modernos precisam de orientações claras e recompensas instantâneas. Use seus 140 caracteres para atrair o público e fazer com que ele se comporte da maneira desejada. Garanta que seu call to action seja forte e gratificante – isso funcionará!

 2. Uma imagem vale mais que mil palavras

Use junto com seus 140 caracteres!

Tweets com imagens se destacam e conseguem uma média de 35% mais retweets. Consiga a atenção do seu público com a criação de uma imagem de citações ou fatos interessantes. Infográficos são uma outra maneira fantástica para as imagens aumentarem o alcance da sua publicação. Basta olhar como o Walmart compartilha pontos importantes do seu press release dentro de um gráfico atraente:

3. Não usar abreviações

A tentativa de empurrar o máximo de informação possível em um tweet muitas vezes pode levar ao uso de abreviações ou gírias. “Tendeu” o que quero dizer? Não faça isso – parece pouco profissional. Se você tem muita informação sobre o mesmo assunto, escreva uma série de tweet, ou publique imagens contendo mais textos. Também como alternativa, use um link para uma página de destino com mais conteúdo textual.

Fabecook Marketing

1. Pensar mobile

Quase 70% dos usuários do Facebook acessam seu perfil por meio de um dispositivo mobile. Por isso, o conteúdo precisa ser criado pensando nisso. Por exemplo, se o usuário acessar seu conteúdo por um aplicativo ou site mobile, sua imagem é redimensionada? Seu texto continua legível? Será que alguns deles cortam seu conteúdo? Teste a sua metodologia primeiro, use contas fakes e texto para teste.

2. Pagar por isso

O Facebook está constantemente mudando seu algoritmo e, como resultado, as pessoas que realmente “veem” o conteúdo publicado por você estão diminuindo – isso vale para as pessoas que “curtem” a sua página. Se você quiser que o seu post seja visto, é necessário promove-lo. Separar recursos para a sua estratégia de conteúdo pago é importante e acaba sendo um pouco mais caro, guarde seu orçamento para as mensagens mais atraentes; aquelas que tem maior probabilidade de engajamento com o público.

3. Vídeo

Em abril, o Facebook anunciou outra mudança para seu algoritmo que sugere algumas mudanças para publicações, uma deles é a valorização do conteúdo em vídeo. Com isso, profissionais de marketing que pretendem estar atualizados e serem vistos por seu público, precisam pensar em maneiras de incorporar vídeo em sua estratégia social. Não se esqueça de colocar legendas em seus vídeos no Facebook, para garantir que os telespectadores visualizem sua mensagem enquanto percorrem seu feed de notícias, sem ter que clicar para escuta-la.

Linkedin Marketing de Conteúdo

1. Menos não é sempre mais

O LinkedIn é um site profissional e seus usuários tendem a ser mais abertos a diálogos longos e posts mais profundos. Esta é uma oportunidade valiosa para profissionais de marketing de conteúdo conseguirem que a sua mensagem seja vista por um público mais segmentado e sem sacrificar algumas palavras do seu conteúdo.

2. SlideShare

Use o LinkedIn em seu pleno potencial, o que inclui tirar vantagens de sua plataforma afiliada, e impulsionar a descoberta do seu conteúdo. O SlideShare permite compartilhar conteúdo no estilo de apresentações do Power Point e o classifica para alguns mercados, tópicos e temas. Use o formato da plataforma para destacar pontos importantes e direcionar seu público-alvo para o conteúdo na íntegra. Ele também tem algumas métricas ótimas para que você veja como exatamente as pessoas estão se engajando com seu conteúdo, assim você pode ajustar seu apelo para conquistar um público maior.

3. Grupos do LinkedIn

Grupos no LinkedIn são um ponto importante da rede profissional. Os usuários se agrupam porque realmente têm a intenção de consumir conteúdo alinhado com os seus interesses. Junte-se a alguns grupos que são relevantes para a sua empresa e publique conteúdo próprio neles. Esteja ciente de que membros do LinkedIn podem ser mais abertos para uma longa leitura, e não para spams. Compartilhe seus posts com sabedoria!

N-CO-1.1.4-Banner

Estas são apenas algumas dicas para ajudá-lo a adaptar o seu conteúdo para diferentes plataformas de mídia social. Para descobrir como criar um press release que maximiza o compartilhamento social, clique aqui e baixe nosso white paper completo.

Texto traduzido do Blog Beyond the Wire, publicado por Amy-Louise Tracey no dia 23 de junho de 2016. Amy-Louise é Consultora de Comunicação na CNW – PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Anúncios

Content Marketing – Missão e o Caminho para o Sucesso

Para muitos profissionais de Marketing, janeiro é um tempo de agir e pisar fundo. Enquanto dezembro foi preenchido por fechamento de projetos e compilação de relatórios, agora é quando os marketeiros estão prontos para seguir em frente.

Content Marketing Missão: O Caminho para o Sucesso

Antes de apertar o botão de lançamento confira se todos os sistemas estão funcionando. Para os profissionais de Content Marketing isso significa analisar os resultados do ano passado e utilizar seu contexto para rever as bases de sua estratégia, por exemplo, personas, a processo de compra e outros temas críticos.

Recentemente, estava inspirada e revi um dos “alicerces” da PR Newswire – a nossa missão em Marketing de Conteúdo – enquanto ouvia Joe Pulizzi durante o webinar “5 Ideias Essenciais para um Marketing de Conteúdo Épico para Negócios”.

O fundador da Content Marketing Institute ofereceu um mapa criterioso para trabalhar os vários elementos de um programa bem-sucedido de Content Marketing, e me pareceu um ótimo momento para olhar os componentes da nossa própria missão em Marketing de Conteúdo.

Para começar, qualquer declaração de missão deve ter um propósito. No caso do Content Marketing, a declaração deve abranger QUEM você quer atingir, O QUE você está oferecendo para ter engajamento, e POR QUE as pessoas terão interesse em participar.

Veja como a Missão da PR Newswire em Content Marketing é dividida:

Nosso conteúdo deve educar profissionais de Marketing, Comunicação e Relacionamento com Investidores nas melhores práticas para que eles possam usa-las para gerar mais impacto em seus programas.

  • QUEM: Nós iremos projetar nossos programas para profissionais de marketing, comunicações e relações com investidores.
  • O QUE: Produziremos conteúdo educacional e boas práticas.
  • POR QUE: Profissionais de Marketing, Comunicação e Relações com Investidores vão se envolver com o nosso conteúdo para entregar melhores resultados em suas campanhas.

Avaliando a nossa missão, dentro do contexto do relatório de fim de ano e as próximas prioridades, esta declaração ainda será o foco para o nosso conteúdo. Que por sua vez, acreditamos que apoiará nossos esforços em 2016.

Então, agora vamos ver como essa declaração pode ser utilizada de forma tática.

QUEM: Se você perdeu o controle do público para o qual você escreve, desenha, fotografa, filma, etc., é quase garantido que o seu conteúdo não terá engajamento.

Frequentemente aconselho os membros da equipe a identificar o público-alvo certo no topo do seu documento. Eu leio títulos que acredito ser para uma audiência e, quando me dou conta, percebo que o autor elaborou a mensagem para outra persona. (Pratique o que você prega: a primeira linha deste post era originalmente “Audiência: Profissionais de Content Marketing”).

Pulizzi recomenda apenas um público como persona por missão, e eu entendo que isso é para garantir que a estratégia de Marketing de Conteúdo seja focada.

Mas, a PR Newswire tem três públicos e nos atendem bem; uma boa pergunta é, por que isso funciona? Encontramos a distinção para nossos públicos no O QUE é educacional para eles e o que vai fazer a diferença para os seus resultados de negócios.

O QUE: A missão da PR Newswire para fornecer conteúdo educacional e as melhores práticas tem foco e parece simples, mas na verdade há muitas coisas acontecendo em segundo plano.

Tópicos para criar conteúdo: Os nossos públicos são diferentes, os assuntos e as conversas que irá atraí-los variam. Para o público de Marketing pode ser algo como “novas táticas de marketing de conteúdo para conquistar novos públicos”, já para se conectar com Comunicadores algo como “estrutura para press release que aumentar a visibilidade on-line” e para Relações com Investidores “tendências de mídia social para formular sua política de social media”.

Alinhar processo de compra e conteúdo: Nosso plano de conteúdo é projetado para cobrir a processo inteiro do comprador, dessa forma a “educação” e as “melhores práticas” vão desde o nível exploratório (por exemplo, “as tendências de geração de demanda que afetam a estratégia de conteúdo”) para táticas e orientação (“5 dicas sobre como incluir vídeo em press releases”) até informação para clientes (“modelo de divulgação de resultados para stakeholders”).

Formatos: A missão também não especifica como PR Newswire irá apresentar e entregar o conteúdo. O formato da peça vai levar em conta o público, o tema, o estágio do processo de compra e os canais disponíveis. “As tendências de geração de demanda que afetam a estratégia de conteúdo” pode funcionar melhor como vídeo e sumário executivo; “5 dicas sobre como incluir vídeos em press releases” pode ser um post ou infográfico; enquanto “modelo de divulgação de resultados para stakeholders” pode ser um template ou e-mail.

PORQUE: Não é apenas importante para definir o público; você também deve expressar por que esse público encontrará valor e investirá tempo com o seu conteúdo.

Em nossa declaração, a PR Newswire quer ajudar todos os nossos públicos proporcionam mais impacto em suas campanhas, e é importante para nós mantermos em mente que diferentes grupos têm diferentes objetivos.

Profissionais de Relações com Investidores podem querer gerar uma nova cobertura de analistas. Profissionais de Marketing podem ter como objetivo aumentar suas taxas de click-through. Comunicadores podem se interessar em aumentar o tráfego para seus canais próprios.

O objetivo do nosso conteúdo deve ser o mesmo do nosso público.

Missão Cumprida?

Logo no início de seu processo, talvez entre projetar sua missão e iniciar o desenvolvimento de conteúdo – e antes de entregar o seu conteúdo para o mercado – é preciso estabelecer as métricas que irão avaliar o desempenho do seu programa de conteúdo.

Essa pode ser uma outra fórmula de QUEM, O QUE e POR QUE em sua declaração de missão. Por exemplo, aumentar o número de prospects através do compartilhamento de conteúdo entre vários canais e entregar um pequeno aumento em novas receitas.

O início desse Novo Ano é um excelente momento para analisar a força da sua estratégia de Content Marketing para garantir que você está no caminho certo para atingir seus objetivos em 2016.

Quer mais dicas de estratégias de Marketing? Baixe o nosso whitepaper Buyer 2.0 Content Strategy Checklist para alinhar a criação e distribuição de conteúdo para as diferentes fases do processo de compra de seu público.

Texto traduzido do Blog Beyond PR, publicado por Eva Rohrmann no dia 05 de janeiro de 2016. Eva é Diretora de Soluções e Marketing Customer Lifecycle na PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Contently – Como Criar Relacionamento através do Storytelling

Quando o público encontra informações úteis e inspiradoras, ele as compartilha através das mídias sociais, por e-mails ou mensagens instantâneas. Há várias maneiras de ser ouvido, mas é simples ser esquecido graças ao volume de informações que recebemos. Porém, o denominador comum do conteúdo que se destaca é a conexão emocional com o público – o princípio fundamental do Storytelling que funciona.

Contently - Como Criar Relacionamento através do Storytelling

Então, como escritores utilizam o poder de contar histórias para criar relações emocionais com seus leitores? Nós recentemente organizamos um bate papo no Twitter sobre o tema, com dicas do especialista Joe Lazauskas, editor-chefe do Contently.

Aqui estão alguns destaques da conversa:

1.PR Newswire: A partir de sua experiência, como é ser um editor-chefe?

Joe Lazauskas: Ser editor-chefe de uma empresa de tecnologia é novo. Mas somos editorialmente independentes. O nosso objetivo é cobrir nossa indústria. Em muitos aspectos, é o mesmo que trabalhar em uma empresa de mídia digital para mim. Só que eu tenho mais recursos!

2.PR Newswire: Qual o principal caminho, pessoalmente, para construir relacionamento através de do Storytelling?

(via @szumowskim)

Joe Lazauskas: Eu tento usar meu #contentmarketing pessoal de sucesso/falhas em meus artigos. (Muito).

3.PR Newswire: Bom conselho! O Contently possui três blogs: um para marcas/publicações, um para freelancers e um para organizações sem fins lucrativos. Como você consegue produzir conteúdo original suficiente para três blogs que se concentram em três públicos muito diferentes?

Joe Lazauskas: A plataforma do Contently ajuda muito com eficiência! Além de grandes freelancers/editores. Nós somos abençoados. #abençoado? Estamos também em constantemente brainstorming. Nossa Slack (software de comunicação) é ótima. É muitas vezes difícil parar de publicar.

4.PR Newswire: Que sistemas ou workflows você tem para manter a sua estratégia de conteúdo funcionando sem problemas?

Joe Lazauskas: Nós usamos o @Contently analytics para otimização por canal / formato / tema / persona / etc. Seres humanos + robôs #ftw!

5.PR Newswire: Você também é um contribuinte para da Fast Company. O que é diferente ao escrever / editar para uma marca versus escrever para uma publicação?

Joe: Não muito. Meu trabalho aqui é edição pura. Em geral, as marcas têm mais restrições, são mais conservadoras. Realmente varia nisso. Algumas marcas querem comunicados de imprensa. Outras querem histórias reais!

6.PR Newswire: Qual métrica mais importantes para medir o desempenho de um conteúdo?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Resposta irritante: tudo depende das metas. Mas a média final, o tempo de atenção e a taxa de retorno são praticamente universais.

7.PR Newswire: Qual é a parte mais desafiadora de ser editor-chefe?

(via @ B_Schuerger)

Joe: Provavelmente estar consciente de nossos conflitos de interesses e divulga-los. Além disso, quando a cerveja acaba…

7.PR Newswire: Quais são os seus recursos para Storytelling?

Joe: Amo @buzzsumo e a análise do @coschedule. @Awl, @Digiday, também parceiros do setor com dados ruins. O melhor recurso são pessoas inteligentes. Essa mentalidade para a redação é chave.

8.PR Newswire: Contently às vezes abrange temas controversos. Como você sabe quando isso é uma boa ideia ou não?

Joe: Meu trabalho é chegar nesse limite, se é que vale relatórios. É o trabalho de outros empurrar para trás. Na minha opinião, todas as empresas precisam desse equilíbrio. Dê ao seu editor uma sala para correr, mas tenha as regras no lugar.

9.PR Newswire: Como você pensa sobre infográficos?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Ótimo para o engajamento. Eles balançam com a gente. Só precisam ser de alta qualidade / contar uma história real.

10.PR Newswire: Existe algum meio para qual você gosta de escrever mais?

Joe: Eu adoro escrever para imprensa. Nós lançamos uma revista trimestral gigante e é o que mais gosto.

11.PR Newswire: Qual é o conteúdo mais bem-sucedido do Contently e por que?

Joe: Depende da avaliação de sucesso, mas provavelmente os meus cinco play books de marketing de conteúdo. Eles só preencheram uma necessidade da audiência.

12.PR Newswire: Como você segmenta seu público-alvo ideal? Você usa personas?

Joe: Sim, personas. Mas as pesquisas com leitores dizer muito também. Um grande fã pode ser insanamente útil. Mesmo que ele não seja a sua “buyer persona”, um leitor de longo tempo pode ser uma grande ajuda.

13.PR Newswire: Você acha que é seguro comer “conteúdo lanchinho” diariamente?

(via @JordanTeicher)

Joe: O que é lanchinho? Se a sua refeição é três bifes, um hambúrguer é um lanche?

14.PR Newswire: Um monte de seu conteúdo parece mais #jornalismo do que #contentmarketing. Contently até ganhou um prêmio da American Society of Journalists and Authors (@ASJAhq). Como você equilibra criatividade com conteúdo que uma os objetivos de negócio?

Joe: Acreditamos que a elaboração de relatórios sobre o mercado é um ótimo Marketing. Mas também, otimizamos para resultados. Quando você pensa no público primeiro, grandes coisas acontecem. Se for interessante, conte essa droga de história. Também: @ContentlyOrg é uma fundação independente dirigida por Brad Hamilton. Não pode tomar o crédito do Prêmio ASJA.

15.PR Newswire: Quais são algumas das habilidades essenciais para ter uma equipe de conteúdo (estratégico)?

(via @zanerazane)

Joe: Experiência editorial real, alguém que construiu um público antes.

16.PR Newswire: Como editor, como você gosta de receber novas ideias de conteúdo?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Um minúsculo discurso de 2 parágrafo que estabelece claramente o ângulo único da história. Também com clips… to show your chops!

17.PR Newswire: Você tem algum conselho para fazer um conteúdo ir de bom a ótimo?

(via @szumowskim)

Joe: Foco em grandes projetos que fazem a diferença. Por isso, só conteúdo não diz nada. Nenhuma busca / nem amor social.

18.PR Newswire: Como o conteúdo de colaboradores/terceiros beneficia o blog Contently?

Joe: Desde uma perspectiva de fontes, nós amamos usar o @ProfNet para impulsionar nossos relatórios 🙂 Nossos freelancers são ótimos para nós. Eu não posso dizer que o suficiente. Eles nos permitem escala no nosso jogo, ser grandes.

19.PR Newswire: Quais são algumas das tendências emergentes de blogs, de conteúdo ou de Marketing que te deixam animado?

Joe: O mundo omni-plataforma. É tão fácil de alcançar as pessoas: LinkedIn, e-mail, Facebook, etc. Especialmente com a distribuição de conteúdo pago.

Se você é um repórter, blogger, autor ou criador de conteúdo, o ProfNet pode ajudá-lo em sua busca por fontes especializadas. Tudo que você tem a fazer é preencher um rápido formulário dizendo-nos o que você está procurando, o seu prazo, e como você quer ser contatado, e vamos enviá-lo para os especialistas apropriados em nossa rede. A melhor parte? É de graça! Comece agora.

Texto original escrito por Shannon Ramlochan no Blog Beyond Bylines, no dia 03 de dezembro de 2015. Shannon é Especialista em Audiência de Conteúdo para o ProfNet da PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Chester Cheetos – O Candidato ‘Fanfarrão’ das Eleições Americanas

As eleições americanas estão a todo vapor, e provavelmente só aumentará de agora em diante. Inserir sua marca nos trending topics sobre o assunto, é uma jogada inteligente. Como Alexa Hoffman escreveu em “Targeting Niche Audiences with Timely Content”, quando as pessoas já estão procurando por um tema específico, compartilhar conteúdo relacionado a ele direciona mais atenção à sua organização.

Chester Cheetos - O Candidato 'Fanfarrão' das Eleições Americanas

No press release “Chester Cheetah Sinks His Teeth Into Politics, Campaigns For Mayor Of Chester, Montana” a marca Cheetos, da Frito-Lay North America, decidiu que não era suficiente apenas mergulhar na onda eleitoral. Ela criou sua própria eleição!

À primeira vista, a política é um tema que parece muito distante do produto Cheetos. Mas, ter a sua “mascote chita” traz um pouco de leveza e se alinha com as histórias que o brincalhão e divertido Cheetos narra em anúncios, nas mídias sociais e em outros canais de comunicação.

Como mascote oficial da marca Cheetos, parte do trabalho de Chester é procurar lugares inesperados para espalhar sua especial fama de mal, e ele certamente encontrou isso na corrida para presidencial”, disse Jeff Klein, Vice-Presidente de Marketing das marcas Frito-Lay. “Ele está trabalhando para fazer um amanhã mais pateta e o Partido Laranja vai nos ajudar a chegar lá, trazendo mais brincadeiras (e diversão) à política”.

E isso é uma das regras principais para colocar sua marca em um grande trending topic: Ser fiel à sua identidade de marca.

Chester Cheetos - O Candidato 'Fanfarrão' das Eleições Americanas

Sua voz tem que ser autêntica e consistente em todos os canais. Graças a palhaçadas de Chester, A voz da marca Cheetos é brincalhona, espirituosa, e um pouco diabólica, o que se reflete no tom do anúncio para presidente de Chester.

Autenticidade como esta prepara o terreno para a construção de familiaridade, confiança e relacionamento no mercado. Se você quer criar uma estratégia para crescimento da marca, você precisa pensar grande ou desista.

A abordagem “fora da caixa” de Cheetos funciona porque eles se comprometeram totalmente com a história e com a promoção do seu conteúdo cross-channel.

Muitos aspectos de uma campanha política real foram incorporados: Há um cartaz da campanha “Chester Chester para”, vídeo eleitoral, e fotos de um ônibus de viagens – tudo isso executado com o charme extravagante de Cheetos, e incluídos ou mencionados no press release. Chester tem até seu próprio partido político… O Partido Laranja, é claro.

Chester Cheetos - O Candidato 'Fanfarrão' das Eleições Americanas

Cheetos também usa vários canais para continuar a desenvolver a história da campanha de Chester. Além da distribuição de um press release, eles criaram o site ChesterforChester.com e a hashtag para o Twitter #ChesterforChester para que os eleitores de possam seguir cada passo da campanha eleitoral.

Por “apimentar” um tema geralmente sério com algum humor no tempo certo, o conteúdo de Cheetos se destaca e desperta o interesse não apenas em torno de sua marca, mas também para a importância das eleições e do voto.

Quanto mais multidimensional sua estratégia de conteúdo é, mais chances você tem para atingir seu público. E reforçar continuamente a mensagem da sua marca em todos os canais ao longo do tempo irá ajudá-lo a permanecer como top of mind em seu mercado. Baixe o nosso e-guide Reach Your Communications Objectives with an Intelligent Mix of Tactics para ver mais cases e uso de conteúdo em ação.

Texto traduzido do blog Beyond PR, publicado por Lucie Vietti-Curtis no dia 30 de outubro de 2015. Lucie é Gerente do Programa para canal e Marketing na PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Visibilidade & Receitas – Um Case de Distribuição de Conteúdo

Visibilidade & Receitas: Um Case de Distribuição de Conteúdo

O negócio da MarketResearch.com é conteúdo. Com um fluxo constante de novos conteúdos, sua comunicação e equipes de marketing estão sempre à procura de novos meios para conquistar visibilidade, engajamento e consumo pelos seus principais públicos – influenciadores da mídia, clientes e prospects – e com isso impulsionar sua receita.

MarketResearch.com – Case de distribuição de conteúdo, discute:

  • Os desafios ligados ao aumento de visibilidade e receita
  • Engajamento e vendas com estratégia e distribuição de conteúdo
  • Mais engajamento com conteúdo para compartilhar

Em um esforço para direcionar awareness para novos conteúdos, aumentar a receita por meio do engajamento, e promover suas novas ofertas para os principais influenciadores do mercado e meios de comunicação, a MarketResearch.com escolheu a PR Newswire para planejarem juntas um programa de distribuição de conteúdo e tornar o investimento mais eficiente com o máximo ROI.

Por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Aumente a Credibilidade do seu Conteúdo com Imagens

Por que usar imagens em sua estratégia de conteúdo. O antes e o depois da revolução digital e como as diferentes gerações se relacionam com elementos visuais.

Aumente a Credibilidade do seu Conteúdo com Imagens

Como designer, crio imagens todos os dias. E posso dizer rapidamente uma longa lista de razões para criar elementos visuais para seu conteúdo.

  • Gerar mais conteúdo
  • Reutilizar conteúdo existente
  • Promover uma ideia em mais canais
  • Criar histórias mais convincentes
  • Simplificar ideias complexas
  • Conquistar atenção
  • Aumentar a retenção da mensagem
  • Adicionar mais autoridade…espera, o que?

Se você está cético quanto ao último item, eu também fiquei surpresa a princípio. Depois de compartilhar algumas imagens com citações que eu fiz para um post em um blog de uma amiga, ela admitiu não concordar com a parte escrita.

Sua reação com os elementos visuais, melhoraram sua confiança. “Quando vi as imagens fez com minhas citações textuais – me disse – “pensei Uau, eu escrevi isso e não está tão ruim”.

A Psicologia por trás Autoridade Visual

Era uma vez, antes da revolução digital, que a produção de elementos visuais era um trabalho muito caro. Os editores só empregavam fotografias, gráficos e vídeos para informação digna de ocupar espaço, tempo e recursos.

Para aqueles que viveram antes de que existisse a internet, as câmeras digitais, os smartphones ou os softwares gratuitos de edição de fotografias – Geração X e Baby Boomers – a ideia de que as imagens equivalem a autoridade, está profundamente enraizada.

Aumente a Credibilidade do seu Conteúdo com Imagens

Os usuários com menos experiência online dão maior autoridade ao conteúdo visual, inclusive se são imagens com pouca qualidade. Também existem pessoas que ainda clicam em banners spam. Pergunte-se se elas são o seu público.

E em seguida, há os Millennials. Cresceram em um mundo de imagens rápidas e baratas, e esperam que todo conteúdo tenha gráficos.

Para eles, a falta de recursos visuais levanta uma bandeira vermelha. Eles provavelmente vão ser mais atentos, do que outras gerações, em detectar a melhor qualidade visual, e o nível de confiança que atribuem aos elementos visuais vai se relacionam diretamente com o nível de habilidade que entrou em sua produção.

Com Grandes Poderes, Grandes Responsabilidades

Enquanto elementos visuais com grande qualidade podem agregar autoridade, certifique-se de que eles estejam respaldados por um material de igual valor para não comprometer a sua reputação.

Aumente a Credibilidade do seu Conteúdo com Imagens

Sempre siga esse manual para garantir a sua credibilidade:

  • Quando criar imagens com citações textuais, confirme sua exatidão e fonte original. Tenha um registro sempre a mão como referência.
  • Quando incorporar fatos estatísticos, mencione sua fonte e inclua uma URL ou esteja pronto para passar o link para alguém quando solicitado.
  • Quando incorporar um elemento visual externo, respeite o seu copyright. Confirme que a imagem possa ser publicada para o uso previsto e revise seus requisitos.

O público de hoje exige mais do conteúdo das marcas. Faça o download The Buyer 2.0 Content Strategy Checklist para ler mais dicas sobre como melhorar o seu Marketing de Conteúdo e Narrativa de Estratégia Visual

Texto traduzido do Blog Beyond PR, publicado por Jamie Heckler no dia 13 de agosto de 2015. Jamie é Gerente Criativa Senior na PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Redesign da Converse mantém a Simplicidade (e o Sucesso)

Quando penso no Chuck Taylor All Star da Converse, a primeira coisa que me vem à mente é o icônico estilo americano. Afinal, ele foi lançado em 1917 e o projeto permanece o mesmo desde então. Assim, o sapato que seu pai – talvez até mesmo seu avô – usava é a mesmo que você amarra hoje.

Redesign da Converse mantém a Simplicidade (e o Sucesso)

O que torna essa história ainda mais impressionante é a simplicidade do produto: Canvas, com solado de borracha e cadarços, nada mais nada menos. Esse design não mudou em 98 anos – até o fim do mês passado.

Em 23 de julho, Converse apresentou ao mundo o novo Chuck Taylor All Star II.

Aderindo à fórmula da simplicidade, estabelecida tão bem ao longo dos anos, a Converse estreou o novo design do tênis com uma campanha de marketing “clean”, mas moderno falando que o Chuck II está agora “pronto para mais”.

“O Chuck Taylor All Star é um dos tênis mais lendários e emblemáticos de todos os tempos”, disse Jim Calhoun, presidente e CEO da Converse. “O lançamento do Chuck II é um momento inovador para Converse, enquanto continuamos levando a marca mais longe através de criatividade e inovação, lançando não apenas um novo sneaker, mas uma forma de pensamento completamente nova”.

Uma marca inteligente sabe como alinhar o tom e o conteúdo para o produto que está promovendo em sua campanha de marketing. Os calçados da Converse não são chamativos, então por que o tom de sua nova campanha é?

Focado no novo tênis, a Converse se posicionou para vender o novo produto, não a campanha. Imagens claras em um fundo preto são os elementos perfeitos para apresentar o Chuck II.

 

Para alguns, a mudança pode ser difícil, especialmente quando se trata de uma marca com quase 100 anos.

“O Chuck Taylor II da Converse é um sneaker que começou com uma ideia simples: a obsessão”, disse Richard Copcutt, Vice-Presidente e Gerente Geral da Converse All Star.

Embora os obcecados não sejam facilmente convencidos a mudar, transparência é fundamental. A Converse divulgou antecipadamente as mudanças que viriam com o novo modelo, incluindo a inclusão, pela primeira vez, de tecnologia da Nike em um tênis Converse. A transparência é uma jogada inteligente, pois demonstra o respeito do Converse com seus fiéis clientes e defensores da marca de longa data.

Outro aspecto interessante desse press release é a lista com bullet points detalhando “características inovadoras” do novo projeto.

Como um fã do All Star Chuck Taylor, eu fui atraído pelos bullet points e me perguntei: “O que realmente mudou com o sapato e com o que eu deveria me preocupar?”

Os admiradores do Chuck Taylor querem saber de imediato os detalhes mais importantes que cercam as mudanças do novo sneaker, e a resposta está no meio conteúdo enviado pela Converse.

A inovação é inevitável. Às vezes, pode até ser vencida, e a maneira que você escolher transmitir essa mensagem para o seu público é um assunto delicado.

A Converse não está necessariamente reinventando a roda com a nova campanha, mas está modernizando uma instituição americana de forma sutil. Isso é o que a Converse conseguiu, deixando não só o tênis, mas toda a marca, “pronta para mais”.

Assim como os novos pares Chuck Taylors, as Relações Públicas e os Profissionais de Marketing precisam evoluir sua estratégia de conteúdo para aumentar a sua pegada e atrair novos públicos. Saiba como criar campanhas que seu público vai adorar com o nosso whitepaper New PR Approaches for Outbound Communications Strategies.

Texto traduzido do Blog Beyond PR, publicado por Ryan Hansen no dia 31 de julho de 2015. Ryan é Gerente de Mídia Social da PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire