4 Lições que Aprendi como Gerente Criativa de Marketing

4 Lições que Aprendi como Gerente Criativa de Marketing

Pessoas criativas são o coração e a alma do marketing e da comunicação. Elas têm a capacidade de tornar informação, até então, sem graça em algo interessante. Por exemplo, essas pessoas podem visualizar, escrever e verbalizar histórias relevantes que vão além de uma breve descrição de produto em bullet points.

– Como entregar o tipo de narrativa convincente direcionada a seu público-, foi mapeado em nosso Buyer 2.0 Content Strategy Checklist.

Criativos contribuintes com seu talento em equipes de marketing e relações públicas.

Trabalhei com pessoas criativas e analíticas durante muitos anos, e isso me ensinou algumas coisas. Ambas são peças complementares e essenciais do quebra-cabeça.

Enquanto a mente analítica pode encontrar e apresentar dados, profissionais criativos podem desenvolver seu potencial e imaginar além do que foi encontrado.

No entanto, para que isso aconteça com sucesso, um ambiente de trabalho diferente se faz necessário.

Você pode pensar que uma sala cheia de quadros, uma grande janela com vista para as montanhas, música suave e algumas caixas cheias de canetas coloridas sejam essenciais para criar um ambiente criativo. Embora tudo isso possa ser importante para alguns, não é o fundamental.

O que importa é o lado humano e a habilidade interpessoal.

Aprendi que é necessário ter paciência para permitir que a criatividade floresça. Esses profissionais não devem ser apressados e o trabalho nem sempre acontece durante as horas normais de trabalho. Mas, com planejamento e orientações cuidadosas, eles podem cumprir os prazos e gerar bons resultados.

Há uma arte para a gestão de pessoas criativas que deve ser aprendida e dominada para que o sucesso seja alcançado. Para começar, deixe seu ego de fora e reconheça que as pessoas com quem você trabalha podem e devem ser mais talentosas do que você. Talvez não em tudo, mas você as contratou para isso.

Aqui estão as quatro principais coisas que eu aprendi com os criativos que tive o privilégio de trabalhar:

Sua mente deve ser “flexível”.

Quando pensamos em contratar alguém para funções criativas, queremos pessoas que possam pensar “fora da caixa”, que não são limitadas pelas possibilidades que a maioria de nós somos. E, no entanto, o que acontece depois de contratá-las é contraditório a tudo o que valorizávamos antes delas começarem a trabalhar.

Imediatamente falamos quais são nossas “regras” e como sempre fizemos as coisas. E ficamos frustrados quando elas querem pensar diferente.

Às vezes, ideias criativas são realmente doidas, bobas, perda de tempo ou muito complicadas. Mas, se ouvir e fazer as perguntas que ajudam no processo criativo ao invés de sufocá-las, coisas maravilhosas serão criadas.

Discuta como uma ideia se relaciona com o seu negócio, inclua o que você vende e quem você é como uma cultura corporativa.

Uma conversa pode revelar uma ideia, uma abordagem diferente ou até se adequar para um canal de marketing novo. A colaboração pode transformar ideias off-the-wall em ótimo conteúdo.

Buyer 2.0 Content Strategy Checklist

Trabalhe talentos complementares.

Você não pode conseguir bons resultados, se você não tiver o talento certo para trabalhar nisso. E isso significa que as pessoas não são iguais.

Na construção de uma equipe criativa, o talento de um profissional, equilibra o do outro. Eles até podem ter algumas coisas em comum, como o desejo de ser parte do sucesso do grupo (criativos individualistas não contam, estamos falando de equipe!), porém eles também têm que ser diferentes. E devem valorizar as diferenças uns dos outros, tanto quanto você.

A melhor maneira para que as pessoas se complementem é ter algum entendimento ou interesse no talento do outro. Eu adoro redatores que se interessam em Canva e Photoshop, assim como também valorizo designers que praticam a arte de contar histórias escritas em seu tempo livre.

Dê feedbacks consistentes e também receba.

Alguns podem pensar que pessoas criativas precisam de uma grande quantidade de elogios, mas isso não é verdade. O que é essencial para o processo criativo é um feedback consistente e honesto. Não há nenhuma fórmula matemática para calcular se um artigo está bem escrito ou se um infográfico pode capturar e manter a atenção do espectador, daí a necessidade do feedback.

A relação de como algo é visto e lido ou como pode estar associado aos objetivos da equipe e da marca são essenciais para ajudar a mente criativa a continuar trabalhando.

Preste atenção e seja um bom ouvinte.

Ouvir é o talento mais importante que um gerente pode ter, não importa que tipo de equipe ele tem. No entanto, a equipe de criação pode precisar disso mais do que a maioria. Não porque os artistas não podem fazer coisas por conta própria, mas porque trazer o processo criativo em um ambiente de negócios estruturado exige colaboração. Isso também requer sair do processo normal e colocar certos limites e prazos no lugar.

Você não quer sufocar a criatividade, mas precisa dar estrutura à medida que ela evolui.

O processo criativo geralmente envolve riscos. As vezes é necessário quebrar as regras. Mas isso pode ser a antítese de abordagens de muitas marcas.

Ser um bom ouvinte permite que sua equipe de criação assuma riscos inteligentes que ajudem a sua marca a contar histórias fortes, sem que você tenha que “tirar o pó” do manual de comunicação de crise.

Para se conectar com seu público e convertê-lo em clientes, você precisa criar conteúdo visual de alta qualidade e atraente. Baixe nosso white paper Buyer 2.0 Content Strategy Checklist para ter mais dicas sobre a criação e distribuição de conteúdo.

A autora Victoria Harres é vice-presidente de comunicações estratégicas e de conteúdo na PR Newswire. Sua equipe é responsável por mídias sociais, PR e blogs da marca. Vicky foi a primeira a twittar no @PRNewswire e continua fazendo parte dessa equipe. Se ela não está em sua mesa, você provavelmente irá encontrá-la em seu jardim.

Texto traduzido do Blog Beyond PR, publicado por Victoria Harres no dia 08 de julho de 2016.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Anúncios

Coloque Especialistas no seu Plano de Content Marketing 2016

Além dos obstáculos normais no planejamento de conteúdo, a pressão é para que as marcas elevem sua criatividade à medida que mais empresas experimentam diferentes técnicas de contar histórias, formatos e plataformas de ponta.

Content Marketing 2016

Não é sempre que se pode contar com a experiência de um ou dois blogueiros famosos para impulsionar o sucesso do Content Marketing.

Internas ou de terceiros, ambas as parcerias com especialistas no assunto podem ajudá-lo a encontrar a qualidade e quantidade que seu conteúdo precisa. Aqui estão quatro dicas de como especialistas podem ajudar seu Content Marketing em 2016:

Especialistas podem ajudá-lo a se preparar para futuras mudanças

Tecnologia e comportamento do consumidor são duas coisas que nunca permanecem iguais do começo ao fim do ano, mas impacta quase todo tipo de negócio. Por exemplo, em 2015 dispositivos móveis causaram mudanças dramáticas na forma como os consumidores fazem compras e até mesmo como recebem cuidados médicos.

Especialistas preverem tendências podem dar uma visão crítica para ajudar as empresas não só a se preparar para a mudança, mas também criar conteúdo que a estabeleça como uma líder de mercado com visão de futuro.

Os especialistas podem dar vida nova ao conteúdo desatualizado

O novo ano não significa que o seu planejamento de conteúdo tem que começar do zero. Conteúdos mais antigos com novas pesquisas e insights de especialistas são uma ótima maneira de tirar o máximo proveito de recursos limitados, enquanto permanecerem no topo das novas tendências.

Os especialistas podem dar vida nova ao conteúdo desatualizado

As contribuições de convidados para preencher lacunas de conteúdo

Para equipes menores, planejar um calendário editorial pode ser uma tarefa difícil, ter ideias de muitas histórias ou encontrar pessoas suficientes para escrevê-los.

A contribuição de especialistas internos e terceiros traz novas perspectivas que mantêm os leitores interessados em seu conteúdo. Além disso, os pontos de vista de terceiros podem ser mais persuasivos do que se fosse uma marca entregando alguma mensagem.

Especialistas podem filtrar a participação de pessoas em eventos

Pessoas participam de conferências para terem oportunidades de networking e de aprender com os grandes oradores. Mas, se você esperar até o último minuto para assegurar seus palestrantes, eles podem não valer a pena em termos de conteúdo ou de interesse do público. Ter um bom começo e garantir palestrantes e construir relacionamento com eles será refletido na qualidade do seu evento.

Com a ajuda de especialistas nas fases de planeamento da sua estratégia de conteúdo, vale a pena na hora da execução. Se você precisar de ajuda para encontrar especialistas – para prever novas tendências, atualizar sua pesquisa, contribuir com artigos ou participar de eventos – clique aqui para consultar um especialista via ProfNet! É fácil e é grátis.

Você também pode consultar nossas dicas de Como Encontrar Experts para sua Marca.

Texto original escrito por Shannon Ramlochan no Blog Beyond PR, no dia 08 de janeiro de 2016. Shannon é Coordenadora de Marketing de Conteúdo da PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

8 Dicas de Presente de Natal para Jornalistas e Blogueiros

O que jornalistas, blogueiros e storytellers realmente querem de Natal?

8 Dicas de Presente de Natal para Jornalistas e Blogueiros

Além de algum tempinho para descansar, extremamente necessário – e a caixa de entrada de e-mail vazia – eles estão desejando alguns dos mais novos gadgets para ajudá-los em seu trabalho no novo ano.

Então, para você, consumidor de última hora que luta para encontrar o presente perfeito, nós selecionamos alguns dos melhores gadgets para os mitos da imprensa e storytellers, que devem ser colocados em sua lista de presentes. Seja para seu blogueiro amigo ou parente futurista, estas ferramentas podem ser o empurrãozinho que eles precisam para inspirar seu influenciador interior.

Não se preocupe se o seu presente chegar um pouco atrasado. Essas pessoas entendem a luta para cumprir um prazo.

Presente 1. Para o jornalista em tempo real

Na era da FOMO (fear of missing out), jornalistas e repórteres cidadãos estão se voltando para aplicativos móveis livestreaming, como Periscope e Snapchat, para compartilhar a notícia instantaneamente e sem filtro.

O desafio da transmissão do jornalismo de rua é fazer um vídeo estável com credibilidade. Para manter o livestreamer em sua vida e no topo do jogo, há uma série de ferramentas que podem ajudar.

Um pau de self (selfie stick) ou tripé é prático e permite melhor visibilidade e maior variedade ângulos. Um microfone de mão, como o iRig Mic, também contribui para um som melhor.

Presente 2. Para o repórter investigativo

Para um jornalista digital, a vontade de contar histórias é equilibrada pela necessidade e conveniência. Mas exatidão continua a ser importante, também.

Graças à tecnologia, os jornalistas não precisam ser colocados em situação embaraçosa apenas para descobrir que eles não têm tempo para voltar para a redação ou que a sua fonte não vai desistir de fornecer a documentação.

Um scanner portátil acessível pode ler e armazenar imagens de documentos em seus aparelhos em apenas alguns segundos. E para garantir que eles fiquem conectados ao seguir uma história, uma bateria reserva também é um ótimo presente.

Presente 3. Para o blogueiro em ascensão

O blogueiro se transformou em uma personalidade, e é muito mais reconhecido.

Para ganhar credibilidade, tráfego e compartilhamentos, um conteúdo diferenciado, consistente e com imagens de qualidade são uma obrigação – não apenas para o seu blog, mas para que eles possam diversificar em seus canais sociais.

Para o blogueiro emergentes ou experiente, uma nova câmera como a Nikon 1 J5 com tela selfie-ready poderia ajudá-los a dar nova energia e valorizar seu trabalho. Caso a eficiência seja a preocupação, tente presenteá-lo com um programa de reconhecimento de voz. O Dragon permitir que blogueiros falem suas ideias e as converte em posts via ditado.

Presente 4. Para o futuro futurista

Embora (ainda) não tenhamos nossos “skates voadores” para trabalhar, o jornalismo drone e storytelling com realidade virtual não estão em um futuro muito distante. Estes programas emergentes fizeram grandes avanços em 2015, fazendo a ponte entre os leitores e conteúdo mais imersivo e uma experiência de notícia mais emocional.

Para aqueles que querem se familiarizar com o futuro do storytelling, um fone de ouvido VR wearable – como o P2 da DodoCase ou engrenagem VR por Oculus – podem ajudar. Enquanto uma câmera 360° permite aos usuários obter mais mãos com fotografias esféricas.

Para os interessados em drones, um vídeo flyer como o Parrot AR.Drone 2.0 Elite Edition ou o mais econômico QuadForce Vídeo Drone pode ajudar os usuários a aprimorar suas habilidades com a próxima grande ferramenta do jornalismo.

Presente 5. Para potenciais influenciadores

Hoje escritores influentes, muitas vezes estendem seus esforços para além escrita e criam o seu próprio negócio on-line ou marca.

Mas, não é uma tarefa fácil. Para ser verdadeiramente bem-sucedido, o aspirante a influenciador deve se armar com os elementos da escola de negócios – para ser sustentável, conhecer suas forças, e ao mesmo tempo rentabiliza de forma adequada o seu conhecimento.

Para alguém que pensa em assumir este papel de auto-gestão, um e-workshop pode ser um bom presente de boas-vindas. O The Infopreneur Ninja por Regina de Anaejionu é uma ótima opção premium. Ou você pode optar pela mais barata 4 Part Empreendedor Cocktail por Hilary Rushford da Dean Street Society.

Presente 6. Para o fotógrafo mobile

A fotografia progrediu radicalmente desde os seus primórdios brutos e de processos químicos complicados.

Hoje, a demanda supera a qualidade para atender às mudanças na forma como as pessoas consomem e compartilham notícias. Isso significa que os fotógrafos devem estar prontos a qualquer momento para focar, disparar e fazer o upload de uma imagem em uma cena.

Felizmente, existem toneladas de aplicativos móveis e suplementos que tornam a captura de fotos em telefones celulares mais atraente. A Mini Pro Photo Lens Kit ou uma lente zoom e tripé para iPhone são opções de presente sólidas para fotógrafos amantes de DSLR que querem manter um mini estúdio em seu bolso.

Presente 7. Para escutar

Hoje, muitos jornalistas e blogueiros vão de entrevistas em entrevistas ou de eventos em eventos.

Se eles estão no carro ou em um trem, ouvir alguém pode ser uma grande distração ou – melhor – a inspiração perfeita, especialmente se estiver lendo algo para quando se sentem intimidados.

Se você cansado ao viajar, uma assinatura de audible.com pode te surpreender. Membros tem acesso a um áudio livro por mês, e mais 30% de desconto para livros adicionais. Perfeito para ouvir na estrada, e entre os seus podcasts favoritos.

Presente 8. Para autores aspirantes

Com a auto publicação em sites como o Kindle e o CreateSpace, publicar não é o maior objetivo.

Mas os passos para planejar e traçar um romance praticamente permanecem os mesmos. Para romancistas de primeira viagem e os escritores mais experientes, ter ideias e construir histórias são fundamentais para ultrapassar o bloqueio de escritores.

Softwares como Scrivener podem ajudar em meio aos seus primeiros esboços. Para aqueles que gostam de colocar a caneta no papel, o Evernote Smart Notebook é uma opção divertida que permite o envio digital de qualquer nota manuscrita ou desenho.

Texto traduzido do post escrito por Anna Jasinski no Blog Beyond Bylines, no dia 11 de dezembro de 2015. Anna é Gerente de Relacionamento com Audiências na PR Newswire.

 

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Contently – Como Criar Relacionamento através do Storytelling

Quando o público encontra informações úteis e inspiradoras, ele as compartilha através das mídias sociais, por e-mails ou mensagens instantâneas. Há várias maneiras de ser ouvido, mas é simples ser esquecido graças ao volume de informações que recebemos. Porém, o denominador comum do conteúdo que se destaca é a conexão emocional com o público – o princípio fundamental do Storytelling que funciona.

Contently - Como Criar Relacionamento através do Storytelling

Então, como escritores utilizam o poder de contar histórias para criar relações emocionais com seus leitores? Nós recentemente organizamos um bate papo no Twitter sobre o tema, com dicas do especialista Joe Lazauskas, editor-chefe do Contently.

Aqui estão alguns destaques da conversa:

1.PR Newswire: A partir de sua experiência, como é ser um editor-chefe?

Joe Lazauskas: Ser editor-chefe de uma empresa de tecnologia é novo. Mas somos editorialmente independentes. O nosso objetivo é cobrir nossa indústria. Em muitos aspectos, é o mesmo que trabalhar em uma empresa de mídia digital para mim. Só que eu tenho mais recursos!

2.PR Newswire: Qual o principal caminho, pessoalmente, para construir relacionamento através de do Storytelling?

(via @szumowskim)

Joe Lazauskas: Eu tento usar meu #contentmarketing pessoal de sucesso/falhas em meus artigos. (Muito).

3.PR Newswire: Bom conselho! O Contently possui três blogs: um para marcas/publicações, um para freelancers e um para organizações sem fins lucrativos. Como você consegue produzir conteúdo original suficiente para três blogs que se concentram em três públicos muito diferentes?

Joe Lazauskas: A plataforma do Contently ajuda muito com eficiência! Além de grandes freelancers/editores. Nós somos abençoados. #abençoado? Estamos também em constantemente brainstorming. Nossa Slack (software de comunicação) é ótima. É muitas vezes difícil parar de publicar.

4.PR Newswire: Que sistemas ou workflows você tem para manter a sua estratégia de conteúdo funcionando sem problemas?

Joe Lazauskas: Nós usamos o @Contently analytics para otimização por canal / formato / tema / persona / etc. Seres humanos + robôs #ftw!

5.PR Newswire: Você também é um contribuinte para da Fast Company. O que é diferente ao escrever / editar para uma marca versus escrever para uma publicação?

Joe: Não muito. Meu trabalho aqui é edição pura. Em geral, as marcas têm mais restrições, são mais conservadoras. Realmente varia nisso. Algumas marcas querem comunicados de imprensa. Outras querem histórias reais!

6.PR Newswire: Qual métrica mais importantes para medir o desempenho de um conteúdo?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Resposta irritante: tudo depende das metas. Mas a média final, o tempo de atenção e a taxa de retorno são praticamente universais.

7.PR Newswire: Qual é a parte mais desafiadora de ser editor-chefe?

(via @ B_Schuerger)

Joe: Provavelmente estar consciente de nossos conflitos de interesses e divulga-los. Além disso, quando a cerveja acaba…

7.PR Newswire: Quais são os seus recursos para Storytelling?

Joe: Amo @buzzsumo e a análise do @coschedule. @Awl, @Digiday, também parceiros do setor com dados ruins. O melhor recurso são pessoas inteligentes. Essa mentalidade para a redação é chave.

8.PR Newswire: Contently às vezes abrange temas controversos. Como você sabe quando isso é uma boa ideia ou não?

Joe: Meu trabalho é chegar nesse limite, se é que vale relatórios. É o trabalho de outros empurrar para trás. Na minha opinião, todas as empresas precisam desse equilíbrio. Dê ao seu editor uma sala para correr, mas tenha as regras no lugar.

9.PR Newswire: Como você pensa sobre infográficos?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Ótimo para o engajamento. Eles balançam com a gente. Só precisam ser de alta qualidade / contar uma história real.

10.PR Newswire: Existe algum meio para qual você gosta de escrever mais?

Joe: Eu adoro escrever para imprensa. Nós lançamos uma revista trimestral gigante e é o que mais gosto.

11.PR Newswire: Qual é o conteúdo mais bem-sucedido do Contently e por que?

Joe: Depende da avaliação de sucesso, mas provavelmente os meus cinco play books de marketing de conteúdo. Eles só preencheram uma necessidade da audiência.

12.PR Newswire: Como você segmenta seu público-alvo ideal? Você usa personas?

Joe: Sim, personas. Mas as pesquisas com leitores dizer muito também. Um grande fã pode ser insanamente útil. Mesmo que ele não seja a sua “buyer persona”, um leitor de longo tempo pode ser uma grande ajuda.

13.PR Newswire: Você acha que é seguro comer “conteúdo lanchinho” diariamente?

(via @JordanTeicher)

Joe: O que é lanchinho? Se a sua refeição é três bifes, um hambúrguer é um lanche?

14.PR Newswire: Um monte de seu conteúdo parece mais #jornalismo do que #contentmarketing. Contently até ganhou um prêmio da American Society of Journalists and Authors (@ASJAhq). Como você equilibra criatividade com conteúdo que uma os objetivos de negócio?

Joe: Acreditamos que a elaboração de relatórios sobre o mercado é um ótimo Marketing. Mas também, otimizamos para resultados. Quando você pensa no público primeiro, grandes coisas acontecem. Se for interessante, conte essa droga de história. Também: @ContentlyOrg é uma fundação independente dirigida por Brad Hamilton. Não pode tomar o crédito do Prêmio ASJA.

15.PR Newswire: Quais são algumas das habilidades essenciais para ter uma equipe de conteúdo (estratégico)?

(via @zanerazane)

Joe: Experiência editorial real, alguém que construiu um público antes.

16.PR Newswire: Como editor, como você gosta de receber novas ideias de conteúdo?

(via @ThePowerGrp)

Joe: Um minúsculo discurso de 2 parágrafo que estabelece claramente o ângulo único da história. Também com clips… to show your chops!

17.PR Newswire: Você tem algum conselho para fazer um conteúdo ir de bom a ótimo?

(via @szumowskim)

Joe: Foco em grandes projetos que fazem a diferença. Por isso, só conteúdo não diz nada. Nenhuma busca / nem amor social.

18.PR Newswire: Como o conteúdo de colaboradores/terceiros beneficia o blog Contently?

Joe: Desde uma perspectiva de fontes, nós amamos usar o @ProfNet para impulsionar nossos relatórios 🙂 Nossos freelancers são ótimos para nós. Eu não posso dizer que o suficiente. Eles nos permitem escala no nosso jogo, ser grandes.

19.PR Newswire: Quais são algumas das tendências emergentes de blogs, de conteúdo ou de Marketing que te deixam animado?

Joe: O mundo omni-plataforma. É tão fácil de alcançar as pessoas: LinkedIn, e-mail, Facebook, etc. Especialmente com a distribuição de conteúdo pago.

Se você é um repórter, blogger, autor ou criador de conteúdo, o ProfNet pode ajudá-lo em sua busca por fontes especializadas. Tudo que você tem a fazer é preencher um rápido formulário dizendo-nos o que você está procurando, o seu prazo, e como você quer ser contatado, e vamos enviá-lo para os especialistas apropriados em nossa rede. A melhor parte? É de graça! Comece agora.

Texto original escrito por Shannon Ramlochan no Blog Beyond Bylines, no dia 03 de dezembro de 2015. Shannon é Especialista em Audiência de Conteúdo para o ProfNet da PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

[Prévia] Tendências para Relações Públicas em 2015

Qual é o futuro das Relações Públicas? Ganhar atenção? Influenciar o comportamento público? Contar histórias de marca? Envolver o público em canais sociais? Não importa como você respondeu as perguntas, uma coisa é certa – o escopo de RP remete ao balonismo. Quando entramos em zonas cinzentas as RP se sobrepõem com as mídias sociais, marketing e aumenta a geração de demanda.

PR TRENDS_2015

linabarger_scott(1)

Scott Linabarger, Cleveland Clinic

Ênfase na Criação de Conteúdo. Publicar é coloca a experiência em exibição. Um grande exemplo pode ser encontrado na abordagem da equipe do Cleveland Clinic adota. Eles  concentram os seus esforços de mídia social sobre a criação de conteúdo, publicando várias mensagens ao longo do dia – todos os dias.

Isso é muito intenso? De acordo com Scott Linabarger (@scottl64), Diretor Sênior de Marketing de Conteúdo Multicanal da Cleveland Clinic, a resposta um sonoro “NÃO”. Mais de 94% das pessoas entrevistadas disseram que a organização estava fazendo o mix certo.

davis_andrew(2)

Andrew Davis, autor de Brandscaping

Desenvolver Marcas com Conteúdo, não Conteúdo para Marcas. O que a sua organização faz e para que? A resposta para essa pergunta reflete no conteúdo que a sua empresa publica? O público responde às marcas que são capazes de desenvolver conteúdo consistente e confiável de forma contínua.

“Eu acho que uma das maiores mudanças para um jornalista ou profissional RP é quando eles se tornam “jornalistas de marca”, onde eles precisam pensar menos como um grande repórter e mais como um executivo da rede de televisão”, diz o autor de Brandscaping, Andrew Davis (@tpldrew). “Eles precisam criar marcas com conteúdo, não conteúdo para marcas”.

Michael Pranikoff, PR Newswire

Michael Pranikoff, PR Newswire

Conteúdo Visual tornou-se Indiscutível, e não vamos discutir… O consumo de vídeo em todo o panteão de dispositivos móveis disponíveis continua a crescer, e os dados são claros – conteúdo que apresenta vários recursos visuais gera mais visualizações. Mas há outra vantagem de usar recursos visuais.

“Multimídia simplifica ideias complexas”, aponta Michael Pranikoff (@mpranikoff) Diretor de Mídias Emergentes da PR Newswire. “Também transmite emoção e emoção desempenha um papel poderoso em influenciar decisões.”

CONTENT MARKETING E O JORNALISMO DE MARCAS – AS PRÓXIMAS GRANDE TENDÊNCIAS EM RP

Dê um mergulho profundo nas tendências emergentes dos principais pensadores de comunicação e ultrapasse seus limites em “The New Public Relations: How Content Marketing and Brand Journalism have become the Next Great Practice in PR,”, que será realizado nos dias 5 e 6 de Novembro, em Nova York.

Andrew Davis e a CMO do Mashable, Stacy Martinet, conduzem um potente line-up de palestrantes que inclui Scott Linabarger e Michael Pranikoff, e profissionais da Whole Foods, IBM e Mastercard. Mais informações: TheNewPR.

Este texto foi traduzido do post escrito por Sarah Skerik no Blog Beyond PR, no dia 09 de outubro de 2014.

Sarah Skerik é Vice-Presidente de Comunicação Estratégica da PR Newswire, e autora dos e-books Driving Content Discovery e  New School Press Release Tactics.  Twitter: @sarahskerik.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

 

3 Novas Abordagens Estratégicas de Relações Públicas

Nós conversamos muito sobre a evolução do mercado de mídia e táticas de relações públicas, bem como o impacto do content marketing, buscas e mídias sociais têm sobre o dia a dia de relações públicas. Vamos levar este estudo um passo adiante no novo white paper, “New PR Agency Benchmarks”, colocando a mudança do papel das agências sob o microscópio.

3 Novas Abordagens Estratégicas de Relações Públicas

“O trabalho é mais sofisticado”, observa Lou Hoffman, da Agência Hoffman no Vale do Silício, um dos chefes de agência que entrevistamos. “Há pouco tempo, muito das Relações Públicas era de relacionamento com a mídia e anúncios de produtos. O jogo mudou com a web”.

Agências estão na vanguarda do nexo de Relações Públicas e Marketing Digital. Elas investem tempo e energia consideráveis ​​em conhecer, testar e utilizar novas plataformas, formatos e canais de mídia, desenvolvendo conhecimento sobre ferramentas de segmentação, bem como o comportamento e preferencias do público, permitindo-as aconselhar clientes sobre quais ferramentas fazem sentido para uma determinada campanha.

Em casa, os profissionais de RP podem aprender sobre a abordagens agressivas das agências descobrir e testar novas plataformas. Como os buscadores mudam as suas preferências e plataformas sociais surgem (e evoluem), colocar novas táticas nesse mix é crucial – mas com uma ressalva importante: Táticas que não atingem o público certo ou não produzem resultados valiosos são um desperdício de tempo. É importante testar novos instrumentos e abordagens, mas também é importante aprender a dizer “não” para aqueles que não produzem resultados.

Existe muito mais para manter seu programa de RP na etapa com as tendências do público do que simplesmente atualizar o mix tático. Basicamente, atualizar sua abordagem para Relações Públicas pode ser necessário também.

AS 3 NOVAS ABORDAGENS DISCUTIDAS NO ‘PAPER’ INCLUEM:

#1. Repensar as Metas Estabelecidas para RP: A mídia espontânea ainda é o principal objetivo das campanhas de Relações Públicas. Desenvolver planos integrados com o Marketing e a equipe de Social Media para medir e utilizando a mídia espontânea como base para começar uma conversa nas mídias sociais e direcionar tráfego qualificado para o site da marca.

#2. Prestar Atenção no Impacto das Buscas: Programas fortes de RP influenciam na classificação de buscas e criam alto fluxo de visitantes de alto valor para o site da marca. Trabalhe com sua equipe de tecnologia ou especialistas em buscadores para capturar informações sobre o comportamento dos visitantes que chegam ao seu site como resultado de uma campanha publicitária digital. Nesse meio tempo, alinhe a linguagem que você usa em comunicações externas (não se esqueça das apresentações!) com os termos e palavras-chave identificados por sua equipe de tecnologia ou especialistas em buscadores.

#3. Pense em Termos Perenes (vs. Termos Sazonais): Encontre e conte a história da marca com autenticidade, transformar essa história em uma narrativa duradoura é uma importante oportunidade para Relações Públicas, desenvolver conteúdo que terá um impacto permanente para a marca.

“Historicamente RP é o campeão de contar histórias dos clientes,” Rebecca Mosley de Duo Public Relations nos disse. “Estamos extremamente qualificados em storytelling, e isso associado ao desenvolvimento de conteúdo, você acabará com uma robusta biblioteca de recursos de conteúdos.”

Um programa de Relações Públicas de sucesso combina estratégias tradicionais e resultado com uma abordagem proativa para alavancar esses ativos no ambiente digital com o propósito de produzir resultados mensuráveis​​. Para mais detalhes sobre os novos padrões de Relações Públicas que estamos vendo se desenvolverem, faça o download de “New PR Agency Benchmarks” AQUI!

Este texto foi traduzido do post escrito por Sarah Skerik no Blog Beyond PR, no dia 06 de outubro de 2014.

Sarah Skerik é Vice-Presidente de Comunicação Estratégica da PR Newswire, e autora dos e-books Driving Content Discovery e  New School Press Release Tactics.  Twitter: @sarahskerik.

Traduzido e adaptado por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

10 Dicas para Criar Infográficos de Sucesso

10 Dicas para Criar Infográficos Bem-Sucedidos

Os infográficos têm um papel cada vez maior nos projetos visuais para contar histórias. Quando são projetados racionalmente, eles apresentam recursos visuais que chamam a atenção e que também ajudam o leitor a compreender melhor e se lembrar da mensagem. Para o leitor, esse valor agregado estimula o engajamento e o compartilhamento.

Com base em minha experiência na criação de infográficos usados nos press releases, posts em blogs e apresentações da PR Newswire, aqui estão algumas dicas e boas práticas para criar infográficos que promovam resultados:

Fundamentos do projeto
Essas dicas aplicam-se a qualquer parte de um projeto para se chegar ao melhor resultado.

#1. Esboce primeiro, refine depois. Antes de se afundar em Photoshop, Illustrator, etc., faça o esboço de suas ideias no velho e bom papel. Meu processo começa, em geral, com um esquema aproximado ideias agrupadas. Assim que consigo a visualização inicial de meus próprios pensamentos, posso fazer ajustes rápidos em outro esboço de layout, antes de começar a trabalhar nos melhores programas da Adobe.

#2. Peça feedback. Como no caso das empreitadas mais criativas, ter os colegas de trabalho analisando o projeto pode ajudá-lo a tornar a peça ainda mais sólida. Frequentemente peço a opinião dos colegas de equipe não projetistas bem no início do processo para me assegurar que o conceito está sendo transmitido claramente. Volto a eles novamente no final para a sintonia fina.

#3. Comece em alta resolução. Sempre se pode reduzir a imagem, mas ampliá-la exige mais tempo e recursos.

Flexibilidade multiuso >>> Os infográficos podem assumir muitas formas e serem usados em diversos canais. Considerar esse aspecto no início do processo de projeto economizará tempo e dinheiro.

#4. Alinhe-se com a história. A primeira coisa a considerar é o motivo para criar essa imagem, apoiar a história numa campanha, post em blog, press release, etc.  As informações que compartilha no recurso visual devem se alinhar com o texto principal. Assegure-se de que os termos, a estrutura e o tom sejam consistentes para proporcionar apoio coesivo à história escrita.

#5. Fortaleça-o para torná-lo independente. Provavelmente você quer que os usuários compartilhem sua imagem na mídia social, assim ela precisa ter sentido sem o texto que acompanha a história. Tenha a certeza de incluir um título claro para indicar ao leitor o que esperar do gráfico. Se estiver direcionado para um público de nicho, assegure-se de esclarecer esse contexto no título ou subtítulo.

#6. Planeje usos alternativos. Todos temos recursos limitados, você não vai querer ocupar seu tempo ajustando seu incrível projeto a posteriori. Fique ciente sobre as variações comuns e planeje de acordo. Em geral, posso dizer que você deve estar preparado para estes dois cenários:

    1. Apresentações: Alguém na organização gostará de incluír o infográfico num conjunto PowerPoint em algum momento. Eu sempre me asseguro que os dados apresentados no estejam em layout paisagem, que pode ser facilmente cortado e colocado num slide.
    2. PDFs fáceis de imprimir: Seja para uso como garantia de vendas ou distribuição em evento, é provável que alguém queira imprimir o infográfico no futuro. Tendo isso em mente, começo os layouts em tamanho padrão de papel (8,5 polegadas x 11 polegadas), em alta resolução, deixando uma margem mínima de 0,25” de espaço em branco.

Fácil visualização >>> A tendência de visualização de dados que exigem rolagem longa, já esteve na moda e foi embora. Os leitores buscam rajadas curtas de conteúdo visual.

#7. Restrinja o foco. Mantenha o nível de atenção do público limitado, restringindo o foco visual para a essência da mensagem. Sua meta final deve ser transmitir claramente uma ideia. Se houver mais pensamentos e ideias que queira incluir, considere as seguintes opções:

  • Itens de apoio devem assumir uma posição visual sem importância em relação ao ponto principal. O olhar do leitor deve claramente fluir primeiro do título para a ideia principal.
  • Ideias semelhantes, mas igualmente fortes, podem se beneficiar de gráficos separados e próprios. Por que espremer tudo em um, quando se pode criar uma série curta.
  • Talvez um único infográfico não seja a melhor solução visual para a mensagem. Para ideias complexas e compostas, um vídeo pode ser mais compatível para transmitir a mensagem. Ou, para unificar uma série de infográficos, considere a criação de apresentação no Slideshare e/ou um PDF.

#8. Corte palavras em excesso.
Os infográficos devem sempre ser fáceis de visualizar e compreender rapidamente. Limite o texto de apoio a uma única sentença sempre que possível. Se for necessário um parágrafo para explicar um recurso visual, provavelmente este não é o recurso certo para ser usado. Mesmo que esteja criando uma lista de recursos visuais, a concisão continua a ser a principal prioridade.

Voltado para dispositivo móvel. Os públicos investem cada vez mais tempo nos smartphones e tablets e isso inclui ver o seu infográfico. Tenha certeza de que será bem fácil para eles visualizá-lo em dispositivos menores.

#9. Evite textos minúsculos. Não obrigue o público de dispositivo móvel a entrecerrar os olhos. Como regra prática, tento manter o texto de detalhe em ou acima de 12 pt (no arquivo original de 300 dpi).

#10. Leve em consideração as telas Retina. Embora as telas tenham se tornado menores, a resolução duplicou. Garanta que o trabalho não apareça tremido ou pixelado em tablets de alta definição, duplicando a largura e o comprimento padrão da especificação de 72 dpi. Por exemplo, se estiver publicando um gráfico no blog no qual o tamanho de imagem padrão é de 500X250, precisará gravar a imagem para 1000X500 com 72 dpi.

Agora que criou um infográfico de sucesso, assegure-se de conquistar a atenção que ele merece, promovendo-o em todos os canais “P.E.S.O.” – Paid, Earned, Social & Owned (pago, espontâneo, social e proprietário).

A PR Newswire oferece benefícios a membros que lhes permitem facilmente armazenar, organizar e incorporar recursos visuais em campanhas usando Media Studio no Online Member Center. Clique aqui para saber mais.

Este texto foi traduzido do post escrito por  Jamie Heckler no Blog Beyond PR, no dia 06 de agosto de 2014.

Jamie Heckler é Gerente de Criação Sênior da PR Newswire. Siga-a no Twitter em @jamieheckle.