Teoria da Evolução “Editorial” – Charles Darwin para o NYT


O que está por trás da recente demissão da editora-chefe do The New York Times e qual a relação com os internautas? Jill Abramson estava no cargo a menos de três anos e será substituída por Dean Baquet, ex-editor do Los Angeles Times e vencedor do principal prêmio do jornalismo americano – Pulitzer.

Teoria da Evolução “Editorial” - Charles Darwin para o NYT

A realidade dos meios de comunicação está em constante mudança, isso não é novidade. Ao surgir uma nova plataforma são inevitáveis as especulações sobre o futuro dos formatos mais tradicionais. “Por que o jornal não desapareceu com a invenção do rádio? Por que os radialistas não tiveram sua aposentadoria decretada quando a televisão se tornou a novidade do momento?” Assim como na biologia, a resposta é uma palavra: Adaptação.

“Não sobrevive a espécie mais forte, mas a que se adapta á mudança.” – Existe uma contradição se essa frase foi ou não dita por Charles Darwin, mas certamente, poderia ter a autoria de qualquer empresário à frente de um conglomerado de comunicação dos dias atuais.

Após a demissão de Jill Abramson e baseado no NYT Innovation Report 2014,o Digiday aponta pelo menos um ponto chave para entender o mau desempenho financeiro e os novos desafios do The New York Times, como sintonizar sua cultura editorial com os hábitos de leitura dos internautas.

Embora a versão digital tenha aumentado seu número de assinantes, de 100.000 para 799.000 em apenas três anos, sua receita publicitária vem caindo.

A redação do jornal americano é focada na produção de conteúdo para sua versão impressa, mesmo que esse formato represente uma porcentagem menor entre seus leitores. Mais preocupante é que o NYT não está sozinho, e tem competidores à altura que desempenham um brilhante papel produção jornalística online. Entregando notícias e atraindo visitantes com seu conteúdo produzido e direcionado para esse público.

A maioria dos leitores do The New York Times é digital. Cerca de 37 por cento da sua audiência entra diretamente pelo site, não usando mecanismos de buscas ou acessando o site por outros meios como as redes sociais, mesmo que, atualmente essa seja uma estratégia adotadas por muitos veículos para promover suas notícias e direcionar o internauta para os seus sites. O NYT está atrás de grandes concorrentes em termos de tráfego proveniente do Facebook.

Teoria da Evolução “Editorial” - Charles Darwin para o NYT

Como conclusão o Digiday destaque que apesar de sua dependência da receita gerada pela publicidade impressa, o jornal americano precisa se adaptar ao público online. No ano passado, mais da metade dos consumidores leram suas notícias no ambiente online. O Times é um dos principais jornais dos Estados Unidos, e possui grande credibilidade e prestigio entre o seu público, porém como dito na frase acima, “sobrevive quem se adapta”.

Por Victor Melo, Analista de Comunicação Corporativa LatAm
PR Newswire

Advertisements

Sobre PR Newswire
Distribuição de Press Releases e Monitoramento de Notícias. Distribución de Comunicados de Prensa y Monitoreo de Medios.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s